"Seu coração guarda muitas sementes férteis, que estão esperando apenas a luz para que possam desabrochar. Permita que esta luz entre em sua alma: deixe-se guiar pelo fluir das coisas a sua volta, procure seguir a qualidade de alguns vegetais. Seja sempre verde como o pinheiro, flexível como o bambu, belo como o lótus, elegante como o lírio e leve como a brisa." (Paulo Coelho)

FASES


Mais cedo pensei que todo pranto fosse 
uma súplica de amor...

Tardou... E nenhuma sombra 
"desse sol" me alcançou.

...Ainda esse canto de águas
nas calhas dos olhos
...uma ave no peito 
e uma sede infinita de marés...

...Talvez o amor seja só
um barco de sonho naufragado
no mar infinito das estrelas...

...E amar seja o despertar, que repousa
 - onde e como - ninguém mais...

...Enquanto as tempestades
apenas um descuido 
nas rotas da lua. 


                Imagem: Google 

CONEXÕES


Depois do caos
qualquer mínima existência
inaugura
algum milagre e paz

Pois que tudo
o que realmente importa
é íntimo do subjetivo


...Tudo o mais é breve
assim como os dias e noites
nunca são iguais


Nem mesmo a alma que está
em constante descoberta
preenche a totalidade
de seu universo


Talvez o expandir seja
este diluir-se,
infimamente, em todos
os elementos


Buscando novos,
com sorte, torna-se
o seu próprio
autor
mestre
e aluno

E em tudo deixa
alguma - ainda que mínima -
medida de eterno.


              Imagem: Google


C A I S


                                 Nunca é tarde num cais
                                 e se vens, aventuras em mim, 
                                 a mística de tua chegada
                                                         E todas as minhas águas 
                                              
 sujeitam-se em ondas de rezas
                                                                      de faróis e sorte
                                 Chegas, distinto           
                                 apontando às asas dos mastros
                                 com teu riso de pássaro
                                  a proa
                                                             Sabendo-te absolvido 
                                           dos momentos em que navegaste 
                                                                - a saudade e fogo -
                                                       cada um dos meus sulcos
                                 Encorajando-me aos abraços 
                                 de lábios em pétalas de brisas mornas,
                                 - sol noturno e maresia -
                                                               Alongas-te às voltas 
                                                          mas é em mim que tens
                                                                  a melhor das rotas                          

                                 Aportas                  
                                 e o teu olhar é todo porto
                                 - eu oceano -                                                           
                                              Reféns d'um tempo que insiste
                                                                        em nos remar.

                       Em 11/09/16
*Para Laura e Pedro/Guarujá
                   Imagem: Google



Real Time Web Analytics