"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

ASILOS DA EMOÇÃO


Trago o engasgo d’um verso
 maduro e tristonho 
de floradas passadas
e inocências perdidas...

um verso de memória oceânica
guardada, em redil de pedras
e labirinto de astros
 que é sangue ungido de vulcões –

um verso, que mais nada diz,
posto que é rima cansada
amanhecida, sem asas,
nos asilos da emoção.

  2016  [ Desafios do Tempo ]

imagem: Noell S. Oszvald


             

BEIJO



                            E porque tenho sede das estrelas
do céu de tua boca,
  poetizo toda ela

...e me perco; na dulcíssima distração
de querer valsar sumos
nos gomos macios de teus lábios

...e preencher cada espaço
como a conta de um rosário que se desfia
em fervorosa devoção

-te infinito... em meu paraíso perplexo
e no esplendor da melhor lágrima
de emoção

e com zelo te oferto
essa imensa fragilidade peregrina
da eternidade do teu beijo.


Imagem: Google




O QUE EU ESPERO QUE SAIBAS




                          O que eu quero que saibas
                          o que eu preciso que saibas

                          É que mesmo quando não sei
                          e mesmo quando já não acredito
                          Existes... e só 
                          por isso a minha existência não é menor

                          Porque te sei, desde muito antes
                          do que acredito termos sido... nós

                          Sei-te a existência impulsionadora
                          dos meus melhores sonhos
                          e  constantes descobertas

                          Sei-te na distância que separa dois corpos
                          ardentes em movimentos de asas

                          ...e na força benigna do vento
                          que compactua com o gesto maior da vida

                         Sei-te como a razão que inflama de alma
                          o meu mundo mais íntimo –

                          Sei-te os gestos movidos por luz
                          e até as palavras espinhos,
                          que me fazem mais flor

                          tua dor   que rezo para que não seja 
                          mais profunda que este medo meu   
                          e a alegria, que só se completa em ti
                          quando alcança outros, além...

                          Sei-te muito maior do que penso
                           Universo pelo qual se levantam
                          constelações – corações!
                          Desde o teu primeiro tempo
                          até a claridade do teu infinito

                          E é por isso, que eu preciso que saibas
                          que mesmo quando eu não sei
                          e mesmo quando eu não acredito

                          Só por te saber, herdei a graça de ter
                          diminuído os perigos dos meus abismos

                          E ainda que isto não some nada, 
                          à tua vida, 
                          Saber-te; salvou a minha. 


            Imagem: Google


Real Time Web Analytics