"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

ÁGUAS DE ÍRIS


                                                    São águas de íris
                                                    Dois rios em curso
                                                    Dissolvendo pedras.

                                                 Guardiãs de um luto
                                            Que esvazia margens.

                                                    São vésperas de aves
                                                    No último gorjear da dor
                                                    Que lhes prende o voo.

                                                  ...Libertas e desafogadas
                                             Em acenos de asas. 

                  Imagem: Google


6 comentários:

Amanda Lopes

Este é o destino mais lindo que já vi para uma dor! Dissolve-la até que se torne ave liberta. Sensibilidade assombrosa, metáforas belíssimas, lindo demais!!!!!! O coração em festa por sua volta, tenho muito carinho por você!
Beijos!


Amanda Lopes

Gratificante te ler!

Nelson Medeiros

Minha amiga:
Que dor amargurada mais linda...

Anônimo

Só os grandes corações sabem fazer um bom uso da dor!
Poesia belíssima que reafirma a nobreza de quem o assina.
Minha amiga, forte e terno abraço, Humberto.

Suzete Brainer

Querida Lu,

Belo e dorido poema!!

Às vezes as lágrimas necessitam limpar os rios
dentro de nós, a saudade fica mais suave
quando todas as lágrimas correram pelo rio-emoção!...

Que bom a tua volta, mas desejo que estejas bem
e em paz, viu, querida?

Grata pela tua luminosa presença e palavras
carinhosas no meu espaço.

Beijo e abraço de alma para alma...rss

Helio Pastre

Orgulho por sermos conterrâneos,
Poética invulgar, parabéns Lucy!

Real Time Web Analytics