“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

C A I S


                                 Nunca é tarde num cais
                                 e se vens, aventuras em mim, 
                                 a mística de tua chegada
                                                         E todas as minhas águas 
                                              
 sujeitam-se em ondas de rezas
                                                                      de faróis e sorte
                                 Chegas, distinto           
                                 apontando às asas dos mastros
                                 com teu riso de pássaro
                                  a proa
                                                             Sabendo-te absolvido 
                                           dos momentos em que navegaste 
                                                                - a saudade e fogo -
                                                       cada um dos meus sulcos
                                 Encorajando-me aos abraços 
                                 de lábios em pétalas de brisas mornas,
                                 - sol noturno e maresia -
                                                               Alongas-te às voltas 
                                                          mas é em mim que tens
                                                                  a melhor das rotas                          

                                 Aportas                  
                                 e o teu olhar é todo porto
                                 - eu oceano -                                                           
                                              Reféns d'um tempo que insiste
                                                                        em nos remar.

                       Em 11/09/16
*Para Laura e Pedro/Guarujá
                   Imagem: Google



T E R R E N A


Quisera ser teu anjo
e poder celebrar
cada uma das notas
do teu nome
- sem te causar dor -

Ter acesso irrestrito
a essa imensidão de ti
- que de tão imenso –
sentenciar-me-ia
a uma lista, de delícias
in_ ter_ mi_ ná_ veis
e cuidados celestiais...

...Ser teu anjo de luz 
e sombra, também.

O mensageiro fiel
da ternura que te cabe,
mas que em mim transborda
e escandaliza,
pois que em tudo está
e sempre está
a te procurar...

E quando demoras,
condenas-me
a infindáveis equívocos
que me afastam do céu,
desoxigenam poemas 
e somam penas...

...Mas pena alguma me sussurra,
apenas os nossos passos
- de tão longas e loucas distâncias -
todas terrenas...

Quisera ser teu anjo pra poder 
caminhar no teu chão
de nuvens...

Imagem: Pixabay


Recebi este lindo soneto como interação aos meus versos, do amigo e mestre 
Jacó Filho.

ANJO SOCORRISTA

Com a alma despida em voos rasantes,
Olhos de águia, escaneando a verdade.
Sente o pecado que fere a humanidade,
Faltando-lhe Deus em veredas errantes.

Queima-se e não sente a ardente chama,
Remoendo sonhos que os tem acordado.
Grita pelo santo que já vive ao seu lado.
De repente morre, quando não reclama.

Ganha asas furta-cores e na rosa flutua.
Desarmada de pudor, faz-se nua e bela.
Um divino anjo que o livra de mazelas,

E ignorâncias, que no homem perpetua.
Vestindo esperanças, quer ser como ela,
Pra socorrer vidas que a dor desmantela.

( Jacó Filho )
Para conhecer mais obras do autor, acesse:
http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=29785

*Interação adicionada em 03/10/16

Real Time Web Analytics