"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

ENCHENTES

Atravesso a noite
como quem desafia o mar
- ponta a ponta –

Afogo lágrimas,
estanco sentimentos
e sinto tanto,
que me canso de sentir.

E quando no horizonte
um raio de luz
sopra para longe a escuridão,
guardo tudo dentro de mim
pois assim, não acordo
as chuvas de minhas manhãs.

Caso fizesse diferente,
provocaria enchentes!

Lumansanaris
Imagem: Google


7 comentários:

  1. Boa noite Lu Mansanaris, sua personagem luta diuturnamente contra os refluxos dos seus sentimentos profundos que insistem em se apegarem à alguém que não lhe tem reciprocidade no querer, parabéns pelo contundente poema, um grande abraço,MJ.

    ResponderExcluir
  2. Olhos que não apenas têm a cor das águas do mar, guardam também !
    Lu não sei descrever o fascínio que me provoca [falo da alma nesse instante] Maravilhosa ! Faz-me querer afagar-te, rssss ! Sempre...
    Beijos, Paulo.

    ResponderExcluir
  3. Da insônia e poucas linhas, Lu nos faz imergir em sentimentos, talvez, que não conhecemos, ou aos quais não damos atenção. Conhecê-los, ou dar-lhes atenção, por meio de um poema da feliz poetisa Lu, é gratificante.

    ResponderExcluir
  4. Um poema maravilhoso em que a ternura aparece em cada palavra.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Lucimara.
    Lindo e muito profundo!
    E assim renascemos todas as manhãs.

    ResponderExcluir
  6. Lindo! Que bom que voltou. Muita luz e paz. Beijo no coração.

    ResponderExcluir
  7. SERGIO NEVES - ...enchente, em meu sentir, provocas sempre quando "desaguas" todo esse turbilhão poético, toda essa tua sensibilidade, sobre o papel! / Carinhos Lu.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics