"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

...F.I.M...

        Já não há nenhuma sombra
        por entre os sonhos...

        Nem estes mais!
                             Restaram apenas o reflexo do medo
                            e uma hemorrágica cortina de silêncio,
                            que por ora, navalham-me a carne.

                                            As noites agora são feitas de névoa
                                            e o amanhecer virou densa poeira,
                                            por onde o sol nem se arrisca passar.
         Foram-se as chuvas...
         Restou apenas uma vaporosa lágrima
         acompanhada d’uma areia
         que machuca ao tentar escapar.
                           Há escombros invisíveis e uma competição
                           entre a excessiva bagunça dentro de mim
                           e a solidão, que pede passagem
                           por ter consigo,
                           pesada bagagem para arrastar.

                                            Mais poeira de memórias
                                            que insistem em machucar...
                                            Intercâmbio de sensações
                                            vasculham a falta de linhas no papel
                                            e tremem versos, sem muito ensaio.
         Transformam orações de sentimentos
         em simbólico cortejo funerio
         tendo o rodapé da página
         como cemitério.
                            Termina a poesia, somente ela
                            posto que nada mais
                           encontra um fim...
                            Sigo... e comigo a dor que navalha a carne!
                            Navalha e navalha... uma vez e outras mais!
                                            O que sinto, ninguém vê
                                            muito menos sente...
                                            E por mais que eu tente, 
                                            não consigo descrever!
                                            É tão distante de poesia
                                            o que se passa aqui, dentro de mim.

 lumansanaris
imagem: Google

3 comentários:

Bell

As vezes a gente se sente assim, sem esperança, sem vida. Mas cada dia é um novo dia \o/

bjokas =)

Arnaldo Leles

Sua existência é poesia, minha amiga.
Muito belo!

Andre Brum

Conheço as navalhas da dor;
Conheço essa hemorragia incontida através da qual, a vida escoa de nós, pouco a pouco...restando-nos somente a alma vazia.

Real Time Web Analytics