“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

...F.I.M...

        Já não há nenhuma sombra
        por entre os sonhos...

        Nem estes mais!
                             Restaram apenas o reflexo do medo
                            e uma hemorrágica cortina de silêncio,
                            que por ora, navalham-me a carne.

                                            As noites agora são feitas de névoa
                                            e o amanhecer virou densa poeira,
                                            por onde o sol nem se arrisca passar.
         Foram-se as chuvas...
         Restou apenas uma vaporosa lágrima
         acompanhada d’uma areia
         que machuca ao tentar escapar.
                           Há escombros invisíveis e uma competição
                           entre a excessiva bagunça dentro de mim
                           e a solidão, que pede passagem
                           por ter consigo,
                           pesada bagagem para arrastar.

                                            Mais poeira de memórias
                                            que insistem em machucar...
                                            Intercâmbio de sensações
                                            vasculham a falta de linhas no papel
                                            e tremem versos, sem muito ensaio.
         Transformam orações de sentimentos
         em simbólico cortejo funerio
         tendo o rodapé da página
         como cemitério.
                            Termina a poesia, somente ela
                            posto que nada mais
                           encontra um fim...
                            Sigo... e comigo a dor que navalha a carne!
                            Navalha e navalha... uma vez e outras mais!
                                            O que sinto, ninguém vê
                                            muito menos sente...
                                            E por mais que eu tente, 
                                            não consigo descrever!
                                            É tão distante de poesia
                                            o que se passa aqui, dentro de mim.

 lumansanaris
imagem: Google

3 comentários:

  1. As vezes a gente se sente assim, sem esperança, sem vida. Mas cada dia é um novo dia \o/

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Sua existência é poesia, minha amiga.
    Muito belo!

    ResponderExcluir
  3. Conheço as navalhas da dor;
    Conheço essa hemorragia incontida através da qual, a vida escoa de nós, pouco a pouco...restando-nos somente a alma vazia.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics