“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

ESTÁTUAS


 É no vértice dos altares, onde a arte habita,
que o meu espírito busca repouso...
 As pálidas frontes, seduzem-me ao toque,
e os seus gélidos contornos, 
emprestam-me uma imensidão de vida.
Entregue e completamente seduzida
pela rara essência de seus muitos mistérios
 - em silente adoração -
alcanço das somas, a máxima harmonia.
E o meu espírito, em forma de brisa
desnuda-as a virgindade dos suspiros
invocando-as a entrega...
E suas respostas, são em coro,
um lindo coro lírico...
E elas dançam bem no momento
em que os sinos, anunciam aos ventos
o acréscimo das horas...
É no vértice dos altares, onde a arte habita
que o meu espírito celebra a vida
pois, que das pálidas frontes - vazias -
transborda um espírito chamado poesia.

Lumansanaris 
*Imagem Eros e Psique Canova


TÃO SOMENTE AMOR


Meus olhos repousam em sua lembrança
os meus pensamentos procuram os seus,
silenciosa e insistentemente
por saber que nada pode parar um rio
quando este, parte em busca do mar.

Transformei a nostalgia da distância
fiz do seu colo, o meu travesseiro
e quando a noite cai
sussurrando-me seu nome
impõe-me o prantear das lágrimas
quase que em número de estrelas.

Esse amor é como chuva mansa
que acalma a brasa de minha dor.
E infinito, 
não mais computa tempo ou a distância,
é tão somente, sentimento.

Rosa nua de espinhos, desprotegida,
porém forte, 
por não querer as suas mãos machucar.

Que é tão profundo quanto o alto mar,
fonte de minhas mais lindas visões
de cores raras, inéditas e florescentes...

Amor que quando pensa que acabou,
prova que ainda vive
porque ultrapassou todos os limites.
Amor que a cada dia semeia mais esperança
e é forte, mas inocente como uma criança
e só por isso faz com que eu seja 
de todos, 
a mais tola.

Amor que teima em viver
e somente por amor, aceita morrer.
Amor, que a cada dia ganha mais força
pois espera que quando tudo mais acabar
ele, em meio a pó e cinzas
possa se levantar,
porque se vê destinado a desenhar
as linhas que descrevam
o que é a eternidade.

Amor que nada tem
totalmente ausente do toque,
prazer permitido apenas ao vento.
Amor completo
por não depender de posse,
alimentando-se apenas
do mais puro sentimento,
somando coisas simples, a todo momento.

Amor que silencioso, grita aos ventos
e fez de sua simples existência,
contentamento.

*Lumansanaris
Imagem: Google

AH ESSE AMOR...


E o amor se apresenta tão de repente
e me vem simples, manso, conhecedor de si.
Fez-se sol em minha necessidade de vida,
coloriu o fim de tarde com tons rubis para me inspirar
e nomeou a lua como madrinha de meus sonhos.

Ah esse amor...
Põe-me a contemplar toda a beleza
e ainda me diz que ela está no brilho dos olhos meus,
ah amor, estes meus olhos são apenas espelhos
feitos da prata advinda dos olhos teus.

Ah esse amor...
É do querer tudo, com a pressa do acontecer
e a cada passo que dá
semeia pétalas pelo caminho,
perfuma as minhas vontades
e faz transbordar minhas vaidades.

É nada saber em posse de toda a verdade,
e o que vive pensando em morrer
para mais uma vez nascer
vencedor do tempo, dono da eternidade.


Lumansanaris
Imagem: Google


PALAVRAS DE VIDRO

________________________________________________________
     Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, 
porque dele procedem as fontes da vida...
(Provérbios 4:23)
________________________________________________________
                                    
                           E eu, refém das palavras
                        Acabei desenhando mapas
                        Que me deixaram livre
                         De qualquer defesa

                                             E muito do que pertencia
                                             As coisas de dentro
                                             Acabou sendo ofertado
                                             Aos quatro ventos

                        Embriagada de palavras
                        E sentimentos...
                        Desnudei sem medo e malícia
                       Toda a minha alma
                                            
                                             E agora percebo
                                             Que os meus tesouros
                                             Foram todos saqueados
                                          
                        Bem no momento em que a alegria
                        Serelepe e menina
                        Brincava de vir morar dentro de mim.


Lumansanaris

 

AMOR ANTIGO


Ao amor Antigo

         O amor antigo vive de si mesmo,
         não do cultivo alheio ou de presença.
         Nada exige nem pede. Nada espera
         mas do destino não nega a sentença.
                                                 O amor antigo tem raízes fundas,
                                                 feitas de sofrimento e de beleza.
                                                 Por aquelas mergulha no infinito,
                                                 e por estas suplanta a natureza.
            Se em toda parte o tempo desmorona
            aquilo que foi grande e deslumbrante,
            a antigo amor, porém, nunca fenece
            e a cada dia surge mais amante.
                                          Mais ardente, mas pobre de esperança.
                                          Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
                                          e resplandece no seu canto obscuro,
                                          tanto mais velho quanto mais amor.

**Carlos Drummond de Andrade

Amor Antigo

     O amor antigo é feito de profundas raízes
     Entrelaçadas a rocha escondida na terra
     Por momentos que se tatuaram na alma, 
     Provando pro tempo, a força do seu existir.
                         
                           É a constante busca por respostas
                           E a completa ausência de razão e lógica.

     Ele se cala na dor,
     Sonha com as alegrias
     E tudo perdoa.

                            O amor antigo, faz até da saudade abrigo
                            Sabendo que tudo pode suportar.
                            Ganha importância  com o tempo
                            Enquanto se renova a todo instante.
                          
     Sonha com a eternidade
     Enquanto segue
     Colorindo cada página de uma vida
     Que por ele, espera merecer.

                              Vive sem nada receber
                              E sobrevive
                              Independente do quanto possa sofrer.

     Portar no peito um amor antigo,
     É conhecer o céu,
     Sem mesmo ter que morrer.
                                    
 **Lumansanaris
Imagem: Google


Real Time Web Analytics