"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

RUBROS VERSOS


Porque a íris de seus olhos,
como areia movediça
engole os meus sonhos.

Jardim trancado a sete chaves,
- o coração, morre aos poucos...-

Na medida em que se instala
a certeza de nunca ter sido o perfume
que os seus sorrisos embalava.

O arco íris da alegria
pertencente a alma criança,
perdeu suas cores, uma a uma.
Desfez-se na chuva ácida da dor!

Rola o pranto...
E encharca as sementes dos sonhos
de um carinho que nunca existiu
- sangram as esperanças... -

A dor presa por entre os dentes
é como a raiz 
que não quer se desgarrar da terra
e sangra...

Todo um paraíso varrido ao chão,
mimetizando com a dor...

Céu anil que nunca iluminou,
sentimento que o tempo arrastou,
no despedir de um sonho
que o crepúsculo abortou.

Lumansanaris
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics