“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

NATUREZA COMUM


                              E porque gestava tempestades no peito,
                         contorcia transbordamentos,
                         trovoando distâncias e luminescências, 
                         despropositais...

                              Os pés valsavam estrelas
                         e lágrimas; temperamentais,
                         navalhando o útero de seu chão
                         em forçado parto, 
                         trazendo à luz, um relâmpago.

                              Comovida, sobremaneira,
                       
 com a fragilidade de seu mundo repleto
                        e profundo de milagres 
                        - recém nascidos -

                              Vida e morte - as mais legítimas -
                         orbitavam consigo
                         num uni_verso pulsante
                         de ingênuas liberdades 
                         - germinantes - 


          Imagem: fine_art



Fui informada que algumas pessoas estão tendo dificuldade em publicar os seus comentários.
*Também não consegui ao tentar postar este aviso no comentário, espero que seja apenas um bug temporário e que logo seja resolvido.

Gratidão por cada olhar.

12 comentários:

  1. Como isso é lindo Lu! <3 <3 <3 <3 <3 <3 <3 <3 <3 <3 <3

    ResponderExcluir
  2. Fantástico! Amei

    Beijo e um bom domingo.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Lucy Mara! Agradecemos com carinho sua visita, e também o poema que ofertas ao mundo.
    Desde o seu princípio, o Espírito traz em si a poeira das galáxias...turbilhonando em ânsias de conhecer, experienciar, viver, enfim...vida, morte, renascimento se alternando, até que se rasgue totalmente o véu da ignorância e, bem alto, ele possa vislumbrar o objetivo de tudo: o retorno à união com o Amor divino.
    Um grande abraço!
    Bíndi e Ghost - Esquina dos Versos

    ResponderExcluir
  4. Fluente como as águas nos mais variados sentimentos.
    BELÍSSIMO, QUERIDA!

    ResponderExcluir
  5. Querida, como são fascinantes as imagens que cria!
    Num primeiro momento imaginei uma deusa, dona do céu e das tempestades, cenas e imagens lindíssimas!
    Logo depois me vi dentro de um tristíssimo poema de solidão!
    A imagem de alguém que caminha em sentido oposto, insistindo em razões que lhe fortaleçam em meio a mortes e vidas.
    E viver tem tanto disso! Procurar milagres e razões, morrendo e ressuscitando!
    Isto e mais um tanto que a amiga poetisa parece querer velar com suas ricas metáforas.
    Trata-se de uma linda obra e é isto que importa.
    Lucy, tudo de melhor e mais belo!
    Que o meu melhor carinho e admiração te alcancem!

    ResponderExcluir
  6. Muito interessante esse , digamos, "jogral" de palavras, "imagens" , metáforas, muito legal, Lu.
    Beijos, linda.

    ResponderExcluir
  7. Linda poesia, Lucy...
    Acho que essas dificuldades são sazonais nos blogs. Algumas vezes, eu não conseguia acessar os meus, nem publicar comentários em outros blogs. Dava um susto!

    Feliz Páscoa para você e sua família!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já aconteceu comigo também Ana, assusta demais, mas sempre volta ao normal, desta vez não parece diferente.

      Feliz Páscoa para você e os seus também!

      Excluir
  8. A natureza comum da poetisa faz com que até a solidão seja elegante.

    ResponderExcluir
  9. Querida Lu,

    Belíssimo!!

    A natureza humana com a vida ensinar, os minutos nos
    registros de vidas e mortes para serem transcendidas.
    Agora, uma alma luminosa a germinar a poesia num
    sentir pleno e de elevação!...
    Apreciei imensamente, talentosa poetisa!

    Grata pela sua visita luminosa e atenciosa.
    Feliz Páscoa (renovação...) para você
    e família, minha querida!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde Lu, teus versos enredam as virtudes, e inquietudes que dominam um ser humano em plena faculdade mental, porem dotado desta dualidade intrínseca a nossa natureza, e sendo a vida humana uma dotação de possibilidades, e incertezas, nunca trafegamos em solo firme, estaremos sempre pairando sobre a derrapagem do sabão, parabéns pelo vosso eloquente poema, e pertinente ilustração, um beijo como muito carinho em teu generoso coração que o meu coração tanto ama, MJ.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics