“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

ASILOS DA EMOÇÃO


Trago o engasgo d’um verso
 maduro e tristonho 
de floradas passadas
e inocências perdidas...

um verso de memória oceânica
guardada, em redil de pedras
e labirinto de astros
 que é sangue ungido de vulcões –

um verso, que mais nada diz,
posto que é rima cansada
amanhecida, sem asas,
nos asilos da emoção.

  2016  [ Desafios do Tempo ]

imagem: Noell S. Oszvald


             

BEIJO



                                                  E porque tenho sede das estrelas
                                                                       do céu de tua boca,
                                                                            poetizo toda ela

                                          ...e me perco, na dulcíssima distração
                                                                 de querer valsar sumos
                                                  nos gomos macios de teus lábios
  
                                                            ...e preencher cada espaço
                                    como a conta de um rosário que se desfia
                                                                   em fervorosa devoção

                                            -Te infinito; em meu paraíso perplexo
                                                e no esplendor da melhor lágrima
                                                                                    de emoção.

                                                                      E com zelo te oferto
                                                 essa imensa fragilidade peregrina
                                                            da eternidade do teu beijo.


            Imagem: Google



O QUE EU ESPERO QUE SAIBAS




                          O que eu quero que saibas
                          o que eu preciso que saibas

                          É que mesmo quando não sei
                          e mesmo quando já não acredito
                          Existes... e só 
                          por isso a minha existência não é menor

                          Porque te sei, desde muito antes
                          do que acredito termos sido... nós

                          Sei-te a existência impulsionadora
                          dos meus melhores sonhos
                          e  constantes descobertas

                          Sei-te na distância que separa dois corpos
                          ardentes em movimentos de asas

                          ...e na força benigna do vento
                          que compactua com o gesto maior da vida

                         Sei-te como a razão que inflama de alma
                          o meu mundo mais íntimo –

                          Sei-te os gestos movidos por luz
                          e até as palavras espinhos,
                          que me fazem mais flor

                          tua dor   que rezo para que não seja 
                          mais profunda que este medo meu   
                          e a alegria, que só se completa em ti
                          quando alcança outros, além...

                          Sei-te muito maior do que penso
                           Universo pelo qual se levantam
                          constelações – corações!
                          Desde o teu primeiro tempo
                          até a claridade do teu infinito

                          E é por isso, que eu preciso que saibas
                          que mesmo quando eu não sei
                          e mesmo quando eu não acredito

                          Só por te saber, herdei a graça de ter
                          diminuído os perigos dos meus abismos

                          E ainda que isto não some nada, 
                          à tua vida, 
                          Saber-te; salvou a minha. 


            Imagem: Google


NATUREZA COMUM


                              E porque gestava tempestades no peito,
                         contorcia transbordamentos,
                         trovoando distâncias e luminescências, 
                         despropositais...

                              Os pés valsavam estrelas
                         e lágrimas; temperamentais,
                         navalhando o útero de seu chão
                         em forçado parto, 
                         trazendo à luz, um relâmpago.

                              Comovida, sobremaneira,
                       
 com a fragilidade de seu mundo repleto
                        e profundo de milagres 
                        - recém nascidos -

                              Vida e morte - as mais legítimas -
                         orbitavam consigo
                         num uni_verso pulsante
                         de ingênuas liberdades 
                         - germinantes - 


          Imagem: fine_art



Fui informada que algumas pessoas estão tendo dificuldade em publicar os seus comentários.
*Também não consegui ao tentar postar este aviso no comentário, espero que seja apenas um bug temporário e que logo seja resolvido.

Gratidão por cada olhar.

VAZÃO


Empresta-me os teus olhos
pois que os meus, estão mortos

São dois cadáveres em posse
de mil almas acorrentadas
por dúvidas que acreditam
estar em teus olhos, a resposta.

Empresta-me o norte de teus faróis
pois que uma imensidão me tomou

Mil horas em tantos naufrágios
que avistavam o sonho do outro lado 
à margem de encontros marcados
ainda na origem de nossos ancestrais.

Empresta-me o consolo dos afagos 
porque trago mil prantos ou mais

Ocultados por mil medos, temporais
cúmplices de tua condenatória falta
imposta; naquele fatídico dia em que 
pela tua ausência, eu morria.


                           Em 2016
 Imagem: monica devenan

Real Time Web Analytics