"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

CONEXÕES


Depois do caos
qualquer mínima existência
inaugura
algum milagre e paz

Pois que tudo
o que realmente importa
é íntimo do subjetivo


...Tudo o mais é breve
assim como os dias e noites
nunca são iguais


Nem mesmo a alma que está
em constante descoberta
preenche a totalidade
de seu universo


Talvez o expandir seja
este diluir-se,
infimamente, em todos
os elementos


Buscando novos,
com sorte, torna-se
o seu próprio
autor
mestre
e aluno

E em tudo deixa
alguma - ainda que mínima -
medida de eterno.


              Imagem: Google


13 comentários:

  1. Estamos todos conectados porém cada um é seu próprio autor, mestre e aluno.
    Sempre profunda e sábia!
    Linda!

    ResponderExcluir
  2. É assim que damos corda no mundo.

    Texto filosófico e profundo, gostei muito!

    Grande abraço Mansanaris!

    ResponderExcluir
  3. Ufa!! Finalmente a calmaria depois da tempestade ...
    Beijos, Lu.

    ResponderExcluir
  4. Sempre com lindos poemas!


    Bom fim de semana.
    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  5. Querida que alegria!!!! Dessas bem grandes e caóticas!!!!! Rrsrssr!
    Essa mania de esperarmos grandes acontecimentos, grandes coisas, isso gera o caos! Maravilhas acontecem todo tempo, micropartículas constroem milagres e eternidades, entrelaçando a vida de tudo e todos! Assumimos nossa vida, passamos a ser os mestres dela, meros alunos enquanto existirmos, achei perfeita a ordem escolhida!
    Me fez lembrar na teoria das asas da borboleta.
    Simplicidade encantadora, assim como quem o assina.
    Minha flor, tudo de melhor e mais belo!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Texto enigmático Lucy! Vi algumas boas possibilidades de interpretação, todas inteligentíssimas!
    Aplausos, querida poetisa.

    ResponderExcluir
  7. Jaco Filho
    Bom dia nobre artífice das letras Lu Mansanaris seu poema é simplesmente magnífico! Adorei...

    ResponderExcluir

  8. A essência do ser em conexão peremptória com o eterno é um fluir constante de descobertas e incógnitas como as próprias vicissitudes, caríssima Lucy Mara Mansanaris.
    Receba os meus sinceros cumprimentos por tão profunda e bela reflexão e um abraço com o carinho e a admiração de sempre.
    Antenor Rosalino

    ResponderExcluir
  9. Marilia Marques Reis

    Magnifica e sábia poesia Lu! Simplesmente toda essa tua beleza vem sim da sua raiz d' dentro pra fora.
    Beijos e carinho. Amei!

    ResponderExcluir
  10. Lu, minha querida amiga e exímia leitora dos sentimentos:
    Realmente... Tudo é breve nesta vida... E nela o que importa de verdade é a essência de tudo que aprendemos ao longo dela; é sim subjetiva, pois que tudo que diz respeito ao âmago de nosso ser é, como tu dizes, íntimo. Grande verdade, menina, até a própria alma está incessantemente à procura da perfeição e para isto expande-se a cada experiência vivida. E é isto mesmo, como colocaste brilhantemente: somos alunos na busca de mestrados. E nossos atos é que, como dizes, à medida que nos aperfeiçoamos vão nos trazendo, sim, uma migalha do que é a eternidade.
    Lindíssimo poema.
    Forte abraço com a admiração eterna de sempre

    ResponderExcluir
  11. Um poema muito belo e profundo, querida Lu!...
    Sim, na singularidade é o centro e também o
    eterno (no divino).
    Nesta singularidade entendida como processo luz,
    ocorre a comunhão (conexão) com todo o universo.
    maravilhoso mergulho do teu poema na filosofia
    da luz evolutiva...
    Adorei!!
    Uma semana luminosa e alto astral, querida poetisa!
    Beijos, amiga.

    ResponderExcluir
  12. "Depois do caos qualquer mínima existência inaugura algum milagre e paz". Era isso que precisava ler hoje, minha amiga. Obrigada.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics