"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

METAMORFOSE


Busquei na tranquilidade 
das margens de um rio, o repouso 
que em mim se fazia necessário.

Fechei os olhos para o mundo externo,
respirei pausada e profundamente.

...Encontrei muitas vozes
no meu silêncio...

Expirei as inquietações
abdicando-me das respostas
Optei pelo concreto,
o dia que hoje me fora dado.

Busquei na luz, a ampla visão
Pedi aos erros, o ensinamento
 Para as conquistas, a humildade
E às derrotas, uma segunda chance.

...Pedi ao céu, a certeza de pisar no chão
E ao chão,
um caminhar que me elevasse.

Para conviver com meus irmãos,
o saber ouvir
E para o que ouvia, o discernir
e o silêncio.

Para o que não conseguia calar,
um  verdadeiro amigo
E a ele, a minha eterna devoção 
e respeito.

Para o dia a dia, paciência.
Para a paciência, o aprendizado
E para ele,
toda a minha capacidade de absorver.

Aos demônios que me assombravam,
mostrei-lhes sua inferioridade.

Aos anjos que me acompanham,
declarei dependência.

Construí, a partir daí, um campo de paz,
uma esfera protetora.

Dei as mãos para a minha fé
fiz dela, a minha fundação
e ponto de partida.

Esvaziei-me de tudo o que era pouco
alcancei o muito, em completude.

Lumansanaris 
in Manuscritos (2011) 
- Releitura da pág 96 - 
*Imagem: Google


12 comentários:

Nelson Medeiros

Lu:
Não quero escrever nada aqui... apenas que esta oração, pois que isto é uma oração ( dentre várias que teus poemas exalam) Apenas te digo: Lindo, muito lindo mesmo e o que é mais importante prenhe de verdades lúcidas e humildade sem par. Li agora e estou relendo ...

Forte abraço e a admiração de sempre

Bonequinha de luxo

Cada verso tem algo a oferecer,
um poema sábio e muito bonito.
Parabéns Lucy.
Bju!

Suzete Brainer

Querida Lu,

Um Poema tão grandioso na sua luminosidade transcendental,
uma transformação de dentro que eleva o exterior com a
sabedoria e generosidade da alma, da tua sublime alma
poética.

A leitura nos proporciona nos arrumar por dentro,
colher a mensagem deste campo de paz que nos envolve,
assim, um esvaziamento do inútil e o novo espaço para
o essencial-Ser!...

Grata, minha Amiga por esta leitura aqui,
estava precisando deste campo de beleza
de alma, num mundo tão feio de Egos,
como é bom respirar aqui!!

Beijo e abraço de paz de alma para alma...rss

Cidália Ferreira

Muito belo!!
Amei de verdade. Parabéns

Beijo e um excelente fim de semana.

Coisas de Uma Vida 172

Nelson Medeiros

Relendo o poema, reitero o que já comentei. De uma beleza muito alta...

forte abraço

Vanessa M.

Lindo poema.. Palavras inspiradoras e que nos levam a refletir!
De fato precisamos sempre ouvir nossa voz interior..
Refletirmos para alcançarmos uma plena compreensão do mundo que nos cerca e de nós mesmos, definirmos objetivos futuros, etc

Tenha uma boa semana!
Um abraço

Mar Arável

Tudo se move
até o vento
nos mastros mais altos

Salete

Nada como buscar a tranquilidade para pensar em nós mesmos e em tudo o que nos cerca para sabermos o que realmente precisamos.

Belo poema, Lucy e que me fez muito bem em ler.Me sinto até mais leve.

Beijinho.

Cidália Ferreira

Lindo demais!! Amei

Bom fim de semana.
Beijo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

AgriDoce

Sempre bom voltar aqui e sorver toda a sabedoria das suas palavras, Lucy.
Desejo que esteja bem.

Beijinho.

Carmem Grinheiro

Olá, Lucy.
" Esvaziei-me de tudo o que era pouco
alcancei o muito" - que assim seja.
Bonito.
bj amg

Anônimo

A grande graça disso tudo é que você é exatamente assim! Um desperdício total esse seu silêncio!
Beijos, na bonequinha mirim também.
Ps: Vim até aqui, agora faz o favor de me responder no zap e/ou aceitar meu pedido de amizade no face. Mingo

Real Time Web Analytics