"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

?



                                                    Deste-me dois
                                                    E não sei qual
                                                    Devo esquecer.

                                                    Anjo ou vilão?
                                                     Ódio real ou
                                                     Amor ilusão?

                                                   Condenaste-me
                                                  A dor d'um crime
                                                                       Teu.

                                                   E amargamente
                                                  Partiste; e a mim
                                                              Também. 


            Imagem: Tumblr


7 comentários:

Rick Forrestal

Beautiful girl, at the window.
Always a great combination.

Suzete Brainer

Querida Lu,

O teu belo e dorido Poema se inscreve na pergunta, na
dúvida e remete a dualidade ou dicotomia do ser humano.
Isso, quase sempre leva a dor, ferir e ser ferido
numa marca, onde se quebra por dentro.
O poema sempre passa a ser um portal de sentires,
cada leitor se (re)conecta com o que é seu intimamente.
O todo expressivo (imagem, Poema e a música) nos
leva a uma introspecção no encontro de algum ponto
de uma dor emocional.
Adoro ler-te!!!
Beijo e um abraço carinhoso, minha querida Amiga!.

Cidália Ferreira

Triste! mas excelente!

Beijo, bom sábado
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Amanda Lopes

Lucy, minha querida
Disseste tanto em tão pouco! Doloridíssimo, porém muitas vezes real.
Brilhantemente sensível e delicada, como sempre!
Um beijo carinhoso.

Salete

Há amores que nos deixam em pedaços. Deles não deveríamos nem lembrar, mas nem sempre é assim...

Poema de uma realidade cortante, porém, lindo, Lucy.

Beijo.

Nelson Medeiros

Lu
Nada pode ser acrescentado. É como uma norma perfeita que dispensa interpretações pois que ela , por sí, já se explica. O video, a canção , por si, mostram a saciedade o que dizem teus versos neste lindo e triste poema de uma despedida...
Forte abraço com a admiração de sempre

Nelson

Claudio Augusto alemão

Agradeço toda emoção e todo sentimento que experimentei sentir aqui. Devo dizer que seu trabalho é solene e você por demais talentosa. Sinto-me feliz e honrado em ser seu amigo aqui nesse clube.

Real Time Web Analytics