"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

METAMORFOSE


Busquei na tranquilidade 
das margens de um rio, o repouso 
que em mim se fazia necessário.

Fechei os olhos para o mundo externo,
respirei pausada e profundamente.

...Encontrei muitas vozes
no meu silêncio...

Expirei as inquietações
abdicando-me das respostas
Optei pelo concreto,
o dia que hoje me fora dado.

Busquei na luz, a ampla visão
Pedi aos erros, o ensinamento
 Para as conquistas, a humildade
E às derrotas, uma segunda chance.

...Pedi ao céu, a certeza de pisar no chão
E ao chão,
um caminhar que me elevasse.

Para conviver com meus irmãos,
o saber ouvir
E para o que ouvia, o discernir
e o silêncio.

Para o que não conseguia calar,
um  verdadeiro amigo
E a ele, a minha eterna devoção 
e respeito.

Para o dia a dia, paciência.
Para a paciência, o aprendizado
E para ele,
toda a minha capacidade de absorver.

Aos demônios que me assombravam,
mostrei-lhes sua inferioridade.

Aos anjos que me acompanham,
declarei dependência.

Construí, a partir daí, um campo de paz,
uma esfera protetora.

Dei as mãos para a minha fé
fiz dela, a minha fundação
e ponto de partida.

Esvaziei-me de tudo o que era pouco
alcancei o muito, em completude.

Lumansanaris 
in Manuscritos (2011) 
- Releitura da pág 96 - 
*Imagem: Google


T E A T R O


                         Assisto, pacientemente,
                        Aos que dançam sobre a minha carne
                        ...Ah, são tão ágeis
                       Olha como se movimentam bem!

                       E quando, por falta de sorte
                       Ou ao acaso de um leve descuido
                       Tropeçam em meus ossos,
                       Imediatamente,
                       Absolvem-se do deslize,
                       Desfaz-se deles, até o tropeço,
                       Restando-me a culpa pelos ossos.

                       Apenas assisto
                       Como quem vê e nada sente,
                       Resistindo ao assistir, pacientemente,
                       O ritmado engodo 
                       De uma dança, que se acredita
                       Em palco de criança.



                                                                  Imagem: Google
       

?



                                                    Deste-me dois
                                                    E não sei qual
                                                    Devo esquecer.

                                                    Anjo ou vilão?
                                                     Ódio real ou
                                                     Amor ilusão?

                                                   Condenaste-me
                                                  A dor d'um crime
                                                                       Teu.

                                                   E amargamente
                                                  Partiste; e a mim
                                                              Também. 


            Imagem: Tumblr


PERPETUANDO



                             Os meus olhos são dois andarilhos
                             Procurando morada,
                              Em tudo o que veem.


                                              A minha casa é abrigo
                             Ao que cabe no espaço de tempo
                             Entre um e outro 
                             - E também plurais -
                             Sentimentos.

                                        ...A esperança, é visita amiga
                             Que me chega, quando todo o resto 
                             Torna-se tarde demais.

                                                      [Eu moro no tempo 
                             E em todos os milagres que me são
                             Concedidos, sentir]
                        
                             Tenho o sol, como abajur que ilumina
                             A disposição da mobília
                             Dos meus sonhos...
                             ...As estrelas, são a minha rua,
                             A lua, é a janela...


                             ...E é por ela que se espia
                             A suave dança das marés
                             E é por onde se alumiam
                             As diferentes fases
                             Da vida.

                                         A porta, são todos os trilhos
                              Por onde os meus olhos andarilhos
                             Podem passar.


                              E se me enriquecem, as descobertas, 
                              Também me aumentam,
                              Um pouco mais,
                              A sorte das essências, que
                              Comigo se deixam, levar. 

             Imagem: Google


ONTEM E SEMPRE


 Estiveste, em cada coisa
Mesmo antes da criação,
Como motivo e inspiração
Estiveste, porque te pus,
Porque exististe 
Em tudo o que era, e não.

Além das eras, nas esferas 
De minhas melhores miragens 
E paisagens de afetos...
...Que de tão maiores e mais,
Foram tidos, como surreais.

Quando, na realidade,
É certo que estiveste, 
Aqui... O tempo todo,
[Profundo e dentro]
Tesouro oculto e silenciado,
Silabado na retina
Do meu melhor olhar.

Como também estiveste
Em todas as confissões 
De minha alma...
[Em calma e na total 
Falta dela]

Estiveste e foste sempre 
E ainda...
[Sempre, ainda mais]
...Só não mais 
Que em meus sentimentos.

         Imagem: Fine Art


I N S Ô N I A

Porque lhe doía
O despertar,
Desaprendeu a dormir,
Depois de tanto sonhar 
Acordada.

Não foi fácil...
Mas ainda assim,
Era mais fácil
Aprisionar as coisas 
De dentro.

Pois que dentro,
Nenhum sopro de vento
Alivia o ardor
Da dor que não se quer
Lembrar.

E então,
Já não havia mais 
Palavra alguma
Que a descobrisse...
...As palavras que antes
Tanto diziam,
Que lhe vinham
Em socorro, emudeceram
De exaustão.

Os seus pensamentos
Não redemoinham mais
Risos nem lágrimas...
Não há um só caminho 
Por onde a emoção escorra.

Apenas sobrevive
A um deserto de tempo,
De ponteiros
Que alargam a visão
E encurtam as falas.

Sem perceber que
O que cala,
Dá corta às horas
Dos mistérios que esperam,
Escritos nalgum lugar,
Para acontecer.

...Desaprendeu a dormir
Porque cansou de sonhar,
Tornando tristes
As estrelas. 

               Imagem: Tumblr

Real Time Web Analytics