“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

ESTRANHA[MENTE] SIMPLES


                                  Deixei morrer em mim
                                  O que não existia
                                  E me foi triste esta realidade.
                                  Tão triste, que às vezes
                                  Parece que ainda
                                  Não... Passou!

                                  Deixei morrer em mim
                                  O dom de inventar gigantes
                                  E até então, falta-me saber
                                  Se estou melhor ou pior
                                  Que antes...

                                  Apenas me deixei
                                  Desistir de solidões 

                                  Que insistiam em
                                  Carnavalescas manifestações
                                  Que me extinguiam
                                  A ilusória veracidade das horas.

                                  E digo, sem heroísmo algum,
                                  Porém repleta de paz,
                                  Que não volto a ser quem fui
                                  Um dia, jamais...

                                  Pois que prefiro o prêmio
                                  E as serenas verdades
                                  Das simplicidades mais pequenas,
                                  Tão amenas e oxigênio. 

Imagem: Google

9 comentários:

  1. Simplesmente magnífico mestra! Amei de coração...

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Lu, teus versos enredam uma personagem que se permite desfazer-se das grandezas inúteis do passado para dar a devida lapidação as coisas pequenas do presente, pois estas tem se mostrado eficientes na consolidação do seu prazer de viver, em detrimentos das aflições que lhe são inexoráveis a esta passagem pela matéria, parabéns pelo eloquente poema, um beijo com carinho neste teu doce coração que o meu coração tanto ama, MJ.

    ResponderExcluir
  3. Gigantes são pesados demais para serem levados conosco! Deixemos que as simplicidades nos saciem, porque saciam!
    Fase luminosa esta sua Lucy, parabéns querida!
    1 Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Lu
    Repito: eis ai uma obra de uma simplicidade sem par...
    Que especial, significativo e esclarecedor início... Que estrofe especialíssima !
    De fato, a felicidade, nesta vida, é tão efêmera que quando a realidade chega queremos pensar que aquela ainda permanece...
    Teu poema, moça, é de uma essência tão grande que dá margem ao interprete, apreciador da boa poesia, vislumbrar a descrição de toda a ilusão da vida material.
    Forte abraço e a admiração de sempre.
    Nelson.

    ResponderExcluir
  5. Querida Lu,
    Um Poema belíssimo com a tua assinatura, que já
    reconheço em pouco tempo te acompanhando. Mas, a
    Poesia original e de beleza sublime tem o Poeta,
    tem uma voz e o caminho próprio inscrito.
    O título me diz tanto, a mente é um caminho
    simples e límpido para aqueles que tem uma
    alma sublime no Agora!...
    Para esta alma sublime no agora, deixar morrer as
    ilusões e as dores, é como fechar a porta e
    abrir a janela da Poesia que transcende em
    beleza e puro oxigênio!...
    Beijo e abraço de paz e de alma!...rss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah que querida... Bom dia Suzete. Recebi o teu e-mail, estou no trabalho agora, mais tarde te respondo com todo o carinho que mereces.
      Um beijo imenso, gratidão...

      Excluir
  6. Olá, Lucy.
    A simpicidade que exala beleza.
    E vai-se a fantasia, às vezes, por bem.
    bj amg

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics