“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

ADIANTE

              
                                                                     Invento um verso
                                                  pros inversos que me cobram
                                                                      alguma atenção.

                                                     Porque também me distrai
                                                                preencher pequenos
                                                  espaços que se confundem e
                                                           não se permitem caber.

                                                                    Tento o equilíbrio
                                                 dos [contras]tes de uma alma
                                                                de alcance celestial, 
                                                     atrelada a raízes humanas
                                                                       que me voltam,
                                                                                  ao chão.

                                                                    E tenho a mania
                                                     de acreditar que vivo mais,
                                                                         se em doação,
                                                              talvez por esta razão,       
                                        vez ou outra, contra[rio-me] tempo
                                                       suficiente para mais uma
                                                                                      lição.

                                                              Sigo, insistentemente,
                                                           sobrevivida, nem tanto
                                                         na imensidão e, nem tão
                                                               presa assim ao chão.

                                                  Talvez uma intenção de asas
                                                          em planos d[e] abismos
                                                          que me deixam sempre,
                                                                 irremediavelmente,
                                                     um tanto mais, preparada.


               Imagem: Google


6 comentários:

  1. Lucy, querida! É um alento ler estas palavras tão bem colocadas!
    A tua poesia me cativou além do que imaginava, portanto, sentir essa força me alegra demais.
    Receba meus mais terno abraço.

    ResponderExcluir
  2. Lu, inspirada poetisa:
    Tudo o seu é canto melancólico que, sem ser pessimista, nota-se que sai da alma. De uma tristeza expressada de forma poética de rara sensibilidade, às vezes, mais parece “canto de cisne”, pois que, via de regra, remete-nos a sensação de que é o último, a despedida... Claro que não é assim; é estilo, entenda-me.
    A segunda estrofe deste poema é de uma beleza e verdade que transcendem à poesia comum. Penso mesmo que a alma que habita o corpo haverá de alcançar, um dia, a celeste serenidade,... Resume, realmente, o nosso adiante. Enfim, dentro do espaço aqui reservado, e tentando evitar a prolixidade é como você diz sempre: Seguimos aprendendo e evoluindo.
    Lindo, no todo, o teu “Adiante”.
    Forte abraço e a admiração de sempre
    Nelson

    ResponderExcluir
  3. Minha amiga,
    A vida segue deixando lições pelo caminho.
    O teu olhar mesmo triste, é uma prece.
    Terno e forte abraço, Humberto.

    ResponderExcluir
  4. Querida Lu,

    As tuas asas, a da Poesia sublime e da tua singularidade,
    nos toca e preenche dentro de nós, o espaço da
    imensa admiração!...
    O voo é sempre adiante, este teu voo
    é luminoso, querida!...
    Sou fã da tua imensa Poesia!!
    Beijo e abraço de paz de alma para alma...rss

    ResponderExcluir
  5. Todos somos poetas

    alguns ousam escrever
    Gosto de passar pelo seu espaço

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics