"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

AMOR COTIDIANO


                            Havia um sorriso guardado
                            Atrás da rotina
                            Daquele amontoado de papéis.

                            E porque era puro, foi-me descanso
                            E porque também era amor,
                            Soube esperar - tanto -
                            Tempo que ainda espera.

                            Conhecia-me sobremaneira
                            E ali, naquele instante,
                            Tardou a pressa do relógio, 
                            Abrindo espaço
                            Para um café...

                            E os meus olhos tristes
                           - E decepcionados -
                            Fugiam de um enfrentamento,
                            Enquanto listávamos algumas
                            Prioridades cotidianas.

                            E, por respeito, ele fingia
                            Não perceber a razão
                            De minha tristeza...

                           ...Aqueles biscoitos na mesa
                           Eram os melhores
                           Curativos emergenciais.
                           [ Pois que a sabedoria lhe ensinara
                           O tempo certo para todas as coisas]

                           ...Em pequenos cuidados
                           Algo muito além se eternizava...

                           E eu soube ali, a beleza da vida
                           Que me esperava protegida 
                           Dentro daquelas portas e janelas. 

Sugestão musical: Eric Clapton - Tears In Heaven

               Imagem: Google

CHÃO E ASAS


Escavo fundo o íntimo
buscando alguma palavra
que justifique 
as sementes do meu jardim.

Mas o dizer
torna-se rasteiro diante
de tudo o que sinto.

Tenho nos passos do sol
o dicionário das horas e
uma quase lucidez 
que sempre me demora.

Negligencio malmequeres 
e para todo o resto 
sou pátria e abrigo.


Imagem: ShiftArt.com

DIGITAIS DA ALMA - O LIVRO

É com imensa alegria que vos apresento o meu segundo livro solo. 
Digitais da Alma 

Sei-me extrema e imensamente grata por cada letra que se deixou capturar dentro das minhas incansáveis tentativas de aliviar o peso, o transbordamento e o voo desenfreado e corajoso dos sentimentos.
Até o presente momento, tudo me leva a crer que os sentimentos que me pesaram, só o fizeram pela minha total falta de experiência e manejo, talvez nunca estarei pronta, espero apenas com o tempo, poder sorrir com mais leveza pela certeza de que pedras e lágrimas, também são amigas. 
No que diz respeito aos sentimentos que transbordaram, penso que estes foram realmente genuínos, mesmo os mais temperados por sonhos e loucuras... Ah, como tenho a agradecer a eles, pois que sem sonhos e alguma boa medida de loucura, a vida seria muito, muito sem graça.
Para ser louco, sonhar e amar [genuinamente] é preciso coragem e nada mais... Planos mudam e planejamento diminui os mistérios. 
Tudo foi como deveria ser e não foram apenas letras, as letras foram o farol no momento em que a minha alma quis navegar e, como sou iniciante, posso garantir que todas as viagens que fiz, foram de minha própria carência. Cada letra foi um passo a mais em direção ao que cri e senti, através das nuances de minha alma.
Nestas páginas estão as minhas melhores memórias, abraçadas pelo fôlego das palavras, retratando as Digitais da minha Alma. Posso garantir, com toda a certeza, que para mim, o conteúdo desse livro é testemunho de uma importante parte do meu processo de evolução.
As experiências aqui romantizadas, provaram-me que é possível estar no céu sem perceber as suas glórias, como também transportar-se para o inferno e não admitir para si as suas culpas e dores, a depender da bagagem que trazemos.
Eu estou satisfeita pela captura de um tempo que não mais se repetirá, mas que permanecerá, ainda mais em mim do que no livro, esperando que, o que coube ao livro, possa refletir algo a mais em cada olhar. 
Que os encantos que um dia foram meus, possam ser compartilhados e com sorte, sentidos; delicada ou profundamente, a cada nova leitura. Gratidão!
                                                                      Lucy Mara Mansanaris
- Digitais da Alma -

ISBN: 978-85-8290-076-5 / Ano 2011
Editora Sucesso

- 120 Páginas, 21 cm -


Para adquirir, entre em contato, clicando aqui. 

DESENCONTRO


Porque trazia algo
De ar hospedado no peito,
Vasculhou fundo.

Mas não havia palavra
Que traduzisse,
Nem silêncio algum
Que confortasse.

Faltava-lhe a vida
Dos sonhos que outrora
Oxigenavam...

No raciocínio vago
Das horas,
Ardências plurais
E consoantes.

Lembranças,
Certezas e dúvidas 
Ressonantes...

Quis chorar feito criança,
Aquela mesma, que
Os anos lhe roubaram.



  Imagem: Tumblr


O LIVRO


                                         Quis pressentir a palavra
                                         - Escondida -
                                         Nas folhas unidas,
                                         Duas a duas
                                         Lacradas...

                                         ... E como único socorro
                                         A lâmina
                                         
D'um abridor de cartas.
                                      
                                        Libertando, pouco a pouco 
                                        Claridades permitidas
                                        À lupa dos olhos...

                                        Num espetáculo de curiosidades,
                                        Desassossegos e prazeres
                                        Enquanto que o tempo
                                        Neste momento,
                                        Já era como que um arlequim.

                                       [ O corpo do livro grávido
                                       De tantas almas em páginas ]

                                       E os olhos mágicos 
                                       Vendavais que transformavam
                                       Os sentidos em aves
                                       Migratórias. 
   
              Imagem: Tumblr


D E S A M O R


                                                                   Sobraram-me
                                                            Todos os elementos 
                                                               De uma tragédia
                                                                       Anunciada.


                                                               E todas as culpas
                                                               Atribuídas àquele
                                                     Que se dispõe ao inferno.


                                                 Restou-me o título que cabe
                                                        A uma perfeita heresia
                                                  Sendo este, o prêmio único
                                                                Que me estanca.

                                                      Ah, vã filosofia de amor
                                                Que mais morde que afaga
                                                           E tudo compromete
                                                       Quando ainda é nada.

                                                                Há de se cobrar 
                                                         Com muitas lágrimas
                                                           O sal que consagra.

Imagem: Tumblr

P R E M I S S A




Uma taça de desejos
Traz em si
O silêncio das trincas
Que sonham acontecer.

A embriagues do vinho
Aprisionada na pureza do cristal
- Duas almas em desalinho
Num querer que ambas têm –

Mas, ao que um toque, abraça
O corpo da taça,
O líquido escorre, fatal
- Entorpece os sentidos -

A taça quebrada,
O vinho vertido
E o toque esparramado...
...É desejo atendido. 


lumansanaris
Imagem: Google

N I R V A N A


"Se a libertação não está em mim, não está, para mim, em parte alguma"
Fernando Pessoa

O exercício da paz
é-me muito próximo
ao do fogo que nasce
entre dois gravetos
sustentados por dedos
e um bom tamanho
de dedicação.

Todo o resto é efêmero
e a todo o resto
dou o direito de partir.

Posto que as necessidades
são individuais
e os indivíduos nem sempre
estão prontos.

É preciso maturidade
para saber lidar
com as inconstâncias
das emoções.

E é preciso traquejo
para as coisas que não são
do nosso jeito.

[Andar, sempre em par 
com a humildade]

Tendo-se um pouco disso
tem-se sabedoria.

Ter, quem permaneça
ao nosso lado,
mesmo durante as nossas
inconstâncias...
...Ah, isso é ter amor!

E todo amor e não,
merecem cuidado.

Pois que em tudo
há algo de extraordinário
e todos somos pontos
de fusão.

Seja rumo ao infinito
ou, ao lugar comum
ou até a lugar nenhum.

Que possamos ser
justos e adequados,
gravetos e trabalho
para que o nosso contato 
resplandeça algo de luz.


Fotografia: Tom Lacoste


Real Time Web Analytics