“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

B A N Q U E T E


                          Sirvo-me a mente,
                          f.a.r.t.a.m.e.n.t.e
                         de todas as lembranças tuas
                         O que sei e imagino
                         acerto e também erro.

                                  E nesse estudo de ti
                                  cabem-me todos os assuntos
                                  sonhos, fantasias, alegrias...
                                  Dramas grotescos
                                 – melhor afresco da loucura
                                 que me habita –

                         Sonhos açucarados, inocentes sonhos
                         ...Indecente? Apenas o que
                         encoberta de sentimento
                         – te proponho –
                         Tudo, absolutamente tudo
                         muito justificável.

                                 Brinco... Brindo...
                                 E já embriagada,
                                 percorro as distâncias de nossos pés
                                 amarrados, caprichosamente
                                 em polos diferentes...

                          E doem-me todos os ais
                          quando na distância
                          percebo-me apenas o outro lado.
                          O outro lado, lado distante
                          Amante, doente, ausente
                          ausente, ausente...

                                 Ah, mas o sentimento
                                 O sentimento sempre presente
                                 imaculado
                                 Do lado de cá
                                 este mesmo do coração.


Imagem: Google

6 comentários:

  1. Neste banquete, os comensais se fartam de felicidade, onde me sento, não tenho pratos fartos de sentimentos, apenas um único prato onde alimento meu amor, um poema único, para um sentimento único. Parabéns, amiga

    ResponderExcluir
  2. toda delicadeza aqui encontrada me encanta sempre!


    abç

    ResponderExcluir
  3. Lu, Rainha do lirismo,
    Não há como deixar de ler e reler este poema e tantos outros de tua lavra. Ainda que caindo sempre num clichê é impossível não dizer de tua sensibilidade e de teu talento. A doçura com que - tu, criatura- cantas o amor idealizado pelo Criador é de tal forma compreendido como se estivesses a descrever uma praia e suas ondas que não se sabe donde vem, mas que vem de algum lugar...
    “ E doem-me todos os ais quando na distância percebo-me apenas o outro lado. O outro lado distante.
    [...Ah! mas o sentimento é sempre presente imaculado...”
    Tens consciência (sei que tens) da beleza, da verdade longínqua de tamanha pérola poética?
    Forte abraço e a admiração de sempre.

    Nelson

    ResponderExcluir
  4. Incisivo, insinuante, latente ... uma maturidade lírica arrebatadora, capaz de emocionar até os mais endurecidos corações.
    Belo, bela!

    ResponderExcluir
  5. SERGIO NEVES - ...um vasto e substancioso "banquete! poético! / ...Lu, tens o poder de transmitir em teus escritos muito mais do que diz as palavras que derramas sobre o papel,...poeticamente escancaras as tuas sensações, as tuas emoções, com uma força que impressiona,...a grandeza do teu versar é tanta que acaba por conseguir fazer com que eu sinta o teu sentir com uma intensidade de "arrepiar" a alma! / ...és muito mais do que uma "simples" poetisa! / Meu carinho.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics