"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

VAZANTE

                              Emoções presas
                              à linha do horizonte
                              - nem céu, nem mar -
                              apenas uma linha que divide.

                              Não as réstias de luz,
                              não ao rebordo de espumas
                              nem barcos
                              nos seus luzeiros de ternuras
                              vindas das mãos que acenam
                              no porto.

                              Nada além de dormências
                              um murmúrio de mar
                              e essa dor em preamar
                              sem sinal algum
                              de espraiar.

                              Mas a aquarela das horas
                              inventa um cenário
                              de esperanças.

                              Há ainda
                              uma alma que aguarda
                              a redenção de uma lua
                              para poder desembarcar
                             de seu próprio corpo...

                             ...e mergulhar em vazante
                              com a mesma leveza
                              de uma ave que se lança liberta
                              ao infinito. 
           
    
                imagem: Google


5 comentários:

  1. Quanta sensoriedade nestes sublimes versos, Lu. A "aquarela das horas" lhe inspira versos que brilham como um tear de cristal. Meus efusivos parabéns, querida amiga. Beijo terno e uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  2. é...parece natural, mas o vazio depois é notável.

    ResponderExcluir
  3. Oi Lu, teus versos enredam uma personagem que busca se harmonizar com os elementos da natureza que perfazem o seu cotidiano, apesar dos contraditórios inevitáveis desta nossa frágil, e complexa materialidade, parabéns pelo contagiante poema, um abraço, com os votos de uma semana de muitas satisfações, MJ.

    ResponderExcluir
  4. A invisível vibração de uma vazante. Que sublimação do vazio!
    Belíssimo!

    ResponderExcluir
  5. Na busca da harmonia, se lança como uma ave liberta, plena de esperança.
    Lindo poema!...
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics