"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

MINHA FORTUNA

     
                              Ainda te amo
                              como a um velho costume
                              que se renova e aumenta 
                              a cada dia.
                              E este sentir me alimenta
                              de certa maneira.

                              Estás
                              até nas coisas mais simples
                              e me fazes falta
                              nas mais lindas...
                              Falta-me poder te dizer
                             - vem comigo ver! -

                              Estás no real e irreal
                              e ainda que te cumpras
                              interna e profundamente
                              todo o tempo dentro de mim,
                              és-me a exuberância
                              e completude 
                              mais irrealizável.

                              Sofro provisoriamente
                              todos os segundos
                              de uma saudade que é
                              tão tua, mas tão tua
                              que nunca me cabe.

                              A tua falta é e sempre será
                              a minha maior ameaça.

                               Passado de aprendizados
                               e das doçuras que se eternizam
                               presente sempre presente
                               futuro, talvez ainda mais presente
                               sempre liberto de arrestas.

                      Tenho-te e não
                      te tento te invento um poema
                      te levo nas asas do sol
                      do meu amor.
                                                          E te guardo em segredo
                                                        com medo de que saibam
                                                                        o quão grande 
                                                                   é a minha fortuna.

              Imagem: Google

3 comentários:

Almma

Lu, doce menina... Deixo meu carinho e meu desejo que esteja bem. Beijo.

Anônimo

Extasiado de alegria por vê-la novamente na ativa Lucy.
Sempre brilhante menina poetisa! Cada vez mais intensa e singular, voltaste com tudo e que bom!
Seja muito bem vinda e por favor permaneça!
Forte e terno abraço, Humberto.

Ps: Preciso dizer que adorei saber o início de tudo (texto acima) ficou leve e muito bem humorado, não conhecia essa sua faceta.

Salete

Que bom que voltou, Lucy e ainda mais doce que nunca. Adorei o poema e o texto. Os inícios são quase sempre difíceis, mas que bom que vc não desistiu de escrever, pois escreve coisas lindas.

Beijinho.

Real Time Web Analytics