“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

MINHA FORTUNA

     
                              Ainda te amo
                              como a um velho costume
                              que se renova e aumenta 
                              a cada dia.
                              E este sentir me alimenta
                              de certa maneira.

                              Estás
                              até nas coisas mais simples
                              e me fazes falta
                              nas mais lindas...
                              Falta-me poder te dizer
                             - vem comigo ver! -

                              Estás no real e irreal
                              e ainda que te cumpras
                              interna e profundamente
                              todo o tempo dentro de mim,
                              és-me a exuberância
                              e completude 
                              mais irrealizável.

                              Sofro provisoriamente
                              todos os segundos
                              de uma saudade que é
                              tão tua, mas tão tua
                              que nunca me cabe.

                              A tua falta é e sempre será
                              a minha maior ameaça.

                               Passado de aprendizados
                               e das doçuras que se eternizam
                               presente sempre presente
                               futuro, talvez ainda mais presente
                               sempre liberto de arrestas.

                      Tenho-te e não
                      te tento te invento um poema
                      te levo nas asas do sol
                      do meu amor.
                                                          E te guardo em segredo
                                                        com medo de que saibam
                                                                        o quão grande 
                                                                   é a minha fortuna.

              Imagem: Google

3 comentários:

  1. Lu, doce menina... Deixo meu carinho e meu desejo que esteja bem. Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Extasiado de alegria por vê-la novamente na ativa Lucy.
    Sempre brilhante menina poetisa! Cada vez mais intensa e singular, voltaste com tudo e que bom!
    Seja muito bem vinda e por favor permaneça!
    Forte e terno abraço, Humberto.

    Ps: Preciso dizer que adorei saber o início de tudo (texto acima) ficou leve e muito bem humorado, não conhecia essa sua faceta.

    ResponderExcluir
  3. Que bom que voltou, Lucy e ainda mais doce que nunca. Adorei o poema e o texto. Os inícios são quase sempre difíceis, mas que bom que vc não desistiu de escrever, pois escreve coisas lindas.

    Beijinho.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics