"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

HERANÇA


"Na dúvida
busca na Bíblia minha filha
e dúvida não te restará" 

(Raquel Maria de Lima)

Desde muito cedo
assim ouvia minha mãe falar
e apesar de nossa fé
ser diferente,
acatava o seu aconselhar.


E isso a alegrava
mesmo quando a palavra
- por limitação minha -
faltava-me...


...Cinco minutos 
com o livro sagrado em mãos, 
preenchia de paz o coração
de uma das criaturas 
mais puras do mundo.


E ela sorria
- algumas vezes eu também -
...Sobrevivemos bem
às nossas diferenças...


O tempo me espichou - muito pouco -
e a encolheu - apenas o corpo -
as fés continuam diferentes,
só o meu entendimento mudou.


Hoje, quando em dúvida
busco na Bíblia
e sempre obtenho resposta.


Talvez a minha mãe não saiba
mas os seus atos e conselhos
tornaram-se a minha maior herança.


Imagem: Google

SILÊNCIOS


          Eu quis ser ave
          para diminuir o espaço 
          das distâncias.

          Morar no vento
          liberta e selvagem
          contando vez ou outra
          com o benzimento
          das nuvens.

          Quis habitar o jardim dos céus
          ainda que apenas como semente
          de alguma visão.

          ...Porém, o céu é para poucos.

          Encolho um grito entre as mãos,
          quando procuro dizer
          o que não tem tradução.

          Frustrada também
          essa tentativa de trazer
          para dentro de alguns versos
          um universo que se expõe inteiro
          a tantos silêncios. 

Imagem: Tumblr

DAS MÁGOAS


                                    Ah pobre coração
                                    de espírito vencido
                                    Vaso partido
                                   em que primaveras
                                   não lhe cabem mais!

                                    Na desilusão assombrosa
                                    o mal fino e profundo
                                    apurando a imensidão
                                    de seus tantos ais.

                                    E se ainda não bastasse
                                    estes olhos por mastigar
                                    uma lua triste e solitária
                                    cobrindo a alma
                                    de remorso.

                                    Celestiais todos ausentes
                                    somente um céu
                                    vestindo a fúria de um mar
                                    pronto para desaguar
                                    as suas espumas flutuantes.

                                    Ah esses ventos
                                    de maus presságios
                                     hão de levantar novas mágoas
                                     obrigando o peito a naufragar.

                                     E antes de romper o dia
                                     no açoite de um raio,
                                     o último soluço do moribundo
                                     no seu ritmo mais lento,
                                     a sua música mais fria.
                                                                             
                                                                                         Imagem: Google

PÉS DE MOLECA

Quando criança
sempre quis um pé de árvore. 

Não desses que se plantam,
mas uma árvore de pé!
Digo, desses que se andam...

Pois me negava aos sapatos
e o meu pai a lixeira,
mas nunca aos cigarros!

Então eu vivia de pé queimado...

Ai Deus, como me doía
não ter uma árvore de pés sarados!

Imagem:  Обои на рабочий стол №: 5541

PRIMAVERA

É primavera
e um sopro de vento
valsa a trama d'uma teia.

No mesmo compasso
a leveza e o equilíbrio
de sua artesã.

Vestidos com rendas
os braços das azaleias
aprisionam o beijo 
do orvalho das manhãs. 

lumansanaris (2011)
Imagem: Foto de LuziACruzFrata



REDENÇÃO


                Traz-me a luz cândida e pura
                destes olhos teus
                pois que os meus ainda estão
                cheios de noite.

                Pousa-os feito aves
                no galho verde de minhas retinas
                que eu tenho duas meninas
                uma ninho, outra proteção.
                
                Traz-me os teus olhos
                para descansar as asas
                no peitoril da janela de minh'alma
                reservo-te uma mística vista 
                do mar.

                Traz-me o adocicado castanho
                dos olhos teus
                para que as minhas palavras
                possam romper a semente
                e florescer
                ainda mais perfumadas.

                Traz-me a cura guardada
                dentro deste teu olhar de menino
                pois que na minha falta de tino 
                às coisas adultas
                escorro-me em tantos ais.

                Traz-me sobretudo, os teus olhos
                à maneira que estiverem
                que são puros, que são pontes
                que são sóis e luas e poesia
                que hão de ser ainda mais meus 
                um dia!

                Traz-me aos olhos, os teus olhos
                porque juntos, improvisam um paraíso
                na música do silêncio que nos fala
                a simplicidade perfeita 
                de dois olhares 
                que se conhecem e se embalam.

Imagem: Google

O CICLO DAS ÁGUAS

Quando o tempo cisma 
em derramar bençãos
ao chão
A imensidão azul do céu, 
enegrece
como se a noite se
precipitasse.

Então a vida
volta para o seu ninho
enquanto que ao pé da serra
um alvo véu, cresce... 
E crescendo 
segue o som das trovoadas 
que confessam
- Zeus vem alimentar Gaia –

Linhas d’aguas 
serpenteiam a sua chegada 
sobre as telhas...
Rescendo no ar 
o perfume da terra molhada.

Derramam-se beijando folhas
desmaiando algumas flores 
das fruteiras.
Invadem o chão com promessas
e se espalham em barreiros 
e corredeiras...

Dentro da casa
um dedo de menina faz nascer
um coração na vidraça
Fora, os irmãos - moleques que são -
disputam a melhor poça
(absolutamente indiferentes
ao romantismo da irmã)

Chove o tempo das esperanças
em mansidão e tempestades
Vencendo as horas da tarde,
a noite invade
desfolhando e fazendo brotar.

São águas que cumprem o ciclo
de suas passagens
Retornando inocentes
a margem
onde atendem
a sede das nuvens...

Inspiram olhares em rezas
ora se precipitam em enchentes
Noutras nos ensinam a secura 
das esperas.

...Eis a serenata da vida...


Imagem: Google

VAZANTE

                              Emoções presas
                              à linha do horizonte
                              - nem céu, nem mar -
                              apenas uma linha que divide.

                              Não as réstias de luz,
                              não ao rebordo de espumas
                              nem barcos
                              nos seus luzeiros de ternuras
                              vindas das mãos que acenam
                              no porto.

                              Nada além de dormências
                              um murmúrio de mar
                              e essa dor em preamar
                              sem sinal algum
                              de espraiar.

                              Mas a aquarela das horas
                              inventa um cenário
                              de esperanças.

                              Há ainda
                              uma alma que aguarda
                              a redenção de uma lua
                              para poder desembarcar
                             de seu próprio corpo...

                             ...e mergulhar em vazante
                              com a mesma leveza
                              de uma ave que se lança liberta
                              ao infinito. 
           
    
                imagem: Google




Não me enquadro muito bem a isso...
Essa é a minha lembrança mais antiga e recente também! E como este sentir me era/é pertinente, aprendi cedo a calar os sentimentos e desistir de desdobrar conselhos... Tornei-me telespectadora ou um corpo presente, só o corpo, a mente raramente.
Ah, mas como é difícil calar os olhos! Os meus olhos, dois viajantes, sempre caminhando... Fotografavam imagens em rabiscos nos papéis guardados debaixo do colchão.
E ante ao meu físico silêncio, vozes ao redor vez ou outra repetiam:  “Coitada, tão jovem e apática! A vida lhe será um fardo."
E eu, por ter herdado um sorriso que não inspirava confiança, sorria por dentro, brevemente, pois sempre estava mergulhada em pensamentos mais esperançosos.
Certa vez, depois de ser acometida por uma grave inflamação no ouvido e sendo medicada pelos amigos da minha mãe, acabei ficando por mais de três semanas surda. Começou devagar e depois de uns dias eu já não ouvia nada além dos meus próprios pensamentos e um zunido que começou não sei bem quando e durou todo o tempo de minha surdez, todo mesmo, dias e noites sem nenhum intervalo, era atormentador!
Porém, incrivelmente ainda me era pior não ter acesso as “vozes tão cheias de certeza” que me rodeavam. Cumpria-se o ditado: “melhor ouvir isso a ser surda” Eu estava temporária e literalmente surda!
Era mesmo um caos não ter a distração de ouvir os outros... A mente parecia uma máquina enlouquecida trabalhando no seu ritmo total. A minha única salvação foi escrever o que me vinha. Cada pensamento colocado no papel parecia se acalmar dentro de mim.
Papéis aceitam tudo e não nos julgam jamais, porém, quando a minha mãe os encontrava debaixo do colchão, o fim dos tempos se precipitava.
Dizia-me primeiramente sobre o desperdício das folhas e tinta de caneta que certamente, faltaria ao meu pai, depois, malmente lia algo e se aterrorizava por não compreender a procedência de tais escritos/rabiscos. Queimava todas as folhas com medo de que o meu pai descobrisse “a minha loucura”
Essa era a sua forma de me cuidar e amar, pois se o meu pai soubesse daquela mania, certamente iriam me doer as orelhas e todo o corpo e, porque eu ainda era muito inocente, a consciência também! Iria me culpar por toda a cena cujo ator principal seria meu pai e eu claro que a vilã... Mas a minha maior razão ainda era pelo o que a minha mãe viria a assistir e ouvir também.
Então eu passava alguns dias longe das folhas de papel, porém havia sempre alguma vareta da laranjeira que tínhamos no quintal, eu as usava para escrever as minhas loucuras no chão e depois apagava com o pé.
Quando ia comprar o pão, pedia ao padeiro para que o embrulhasse em duas folhas, alegando que as minhas mãos suavam... Ele me atendia e antes de chegar em casa, escondia por debaixo da roupa o prêmio (dobrado com muito cuidado).
Demorei muito para ir para à escola, somente com 8 anos... Lá me sentia no paraíso! Nem precisaria dizer o quanto me foi incansavelmente recomendado que escrevesse apenas o que a professora me pedisse, nada mais, nada menos!
Ai, mas isso era complicado demais para ser cumprido à risca!
Até que um dia descobri que davam caderninhos na secretaria, nesse mesmo dia descobri a vocação ao teatro.  Estaria salva se o vício não me levasse tantas vezes a mendigar...  Havia chegado o momento de confessar toda a verdade, nada mais que a verdade. E a grande verdade é que a supervisora possuía um generoso coração.
Fui então premiada com a promessa de que não me faltariam caderninhos para grafar os pensamentos (ela não me achou maluca!) desde que, em nenhum momento isso atrapalhasse o andamento dos meus estudos. Cumpria com facilidade o combinado e me sentia portadora de um baú inteiro de tesouros... 
Algumas vezes, tive minhas pesquisas, textos e pensamentos compartilhados  com os outros alunos pelos próprios professores. De forma alguma isso me fez popular, muito pelo contrário, apesar de estar em uma escola pública, qualquer criança ali, possuía mais que eu (eu era pobre e gêmea, então imagine, o pouco que a pobreza me dava, eu ainda tinha que dividir!) Não parecia normal que justamente eu me destacasse em curiosidade, notas e pesquisas.
Mas me acostumei a isso como a todo o resto... Nunca estive sozinha, sempre com um caderninho... Depois do recreio os meus colegas estavam suados, agarrados ou brigados com os seus amigos e eu sempre acompanhada do meu caderninho, perfumada pelo encanto dos momentos que passávamos juntos.
E foi assim que tudo começou... E eu nunca mais parei... O tempo e algumas experiências me comprovaram que todos estiveram certos... Em alguns dias eu estou louca, noutros, insana. Enfim, nunca socialmente sã.

lumansanaris
Imagem: Google

Real Time Web Analytics