"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

TRANSPARÊNCIAS DO OLHAR



Havia mais um grão de areia 
naquele tempo
e sentimentos que enfeitavam
o pensamento.

Um olhar contornado por infinitos
e ondas de lágrimas 
que lavavam o cais, do coração.

Havia um mar inteiro para se afogar,
um céu como testemunha
e a ausência de uma lua perdoada
pelo clarão da constelação.

Um constante movimento dentro
-  caos e reconstrução -
e um sussurro de vento seduzindo o pulmão. 

Havia uma alma despida de tudo
porém grávida - de asas e coragem –
lançando-se as coisas do alto
mergulhando fundo e florescendo
estrelas ao mar.

Havia sobretudo, um riso constante
que desatava nós  (nos)
as transparências do olhar.

lumansanaris
Imagem: Google

7 comentários:

  1. No teu céu um mar de sonhos e fantasia!

    ResponderExcluir
  2. Love the pose, the composition, the lighting.
    Nice.

    ResponderExcluir
  3. SERGIO NEVES - ...primorosa! ...como sempre! / Meu carinho.

    ResponderExcluir
  4. Seriam os sentimentos?
    Poetiza Lucy eu fico vislumbrando com a beleza dos teus versos! Emocionado com a tua volta tão grandiosamente linda, aplausos!
    Abração menina poetiza!

    ResponderExcluir
  5. Luuuuuuuuuuuuu lindoooo demais!!!!Parabéns linda! (Abá)

    ResponderExcluir
  6. Ola Lucy,
    A sensibilidade e delicadeza esta
    numa alma despida de tudo.
    Os brotos de esperança no voo
    da coragem. Que lindo.
    Boa noite com paz e luz
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Me emocionou, Lucy.... O tempo passa, mas as boas recordações ficam.
    Que bom que voltou.:)

    Beijinho.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics