"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

O QUE NÃO DIGO


            Na tentativa de estar contigo
            soltei-me dos ombros,
            fui buscar morada
            no vento.

            Fui desfolhando pouco a pouco
            o coração em pétalas 
            num jardim inteiro de amor
            - talvez caberia justo
            dentro de um livro -
            mas não em mim,
            nunca dentro de mim.

            Pois que este sentimento
            sempre tanto e tão maior
            além e apesar 
            do pesar das palavras,
            sempre mais...

            Um pouquinho mais de dor
            para um tanto mais de amor
            e mais e mais amor...

            Pois que com amor,
            a lágrima se fez seiva
            e a ferida se fez flor.

            Amor... Acaso sabes
            o quanto de celebração cabe
            dentro d'um sopro de vento?

            Não pergunto porque saiba
            - eu não sei -
            mas não é esta a minha mágoa.

            Esquece tudo,
            descansa os teus mansos olhos, amor
            sente o vento passar e 
            ouve bem,
            tudo que eu não digo.

            lumansanaris 
            imagem: Google


13 comentários:

  1. O amor permanece mesmo nas sombras. Lindo versejar, Poeta!

    ResponderExcluir
  2. O seu amorável versejar é sublime, Lucy Mara. Toca profundamente a alma dos seus privilegiados leitores, entre os quais, tenho prazer de estar incluso. Meu carinho e meus aplausos.

    ResponderExcluir
  3. Amor é o que resiste e a poetisa mostra conhecimento e extrema sensibilidade ao tema.
    Sublime Lucy, parabéns!
    Terno abraço, Humberto.

    ResponderExcluir
  4. Que lindeza, Lu. Doce e suave como você. Beijo.

    ResponderExcluir
  5. O nosso silêncio diz muito...
    Poesia linda, Lucy.
    Sempre bom passar por aqui.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  6. SERGIO NEVES - ...se esse é o teu não dizer, fico a imaginar o teu dizer,...aí, então, nem o céu é o limite... / (...se bem que entendo bem que um "não dizer" assim como versas, tem, poeticamente, muito mais força que qualquer concreto "dizer"...) / ...admirável escrito! / Carinhos, Lu.

    ResponderExcluir
  7. Magnífico poema.
    Tal como os que li mais abaixo.
    Lucy, tenha um bom resto de domingo.
    Abraço poético.

    ResponderExcluir
  8. Bom dia querida amiga, ouvi-lo em fono-recital e agora lê-lo, é senti-lo penetrar nas entranhas dos sentires. Não esqueci a estrofe: "Pois com amor, a lágrima se fez seiva, a ferida se fez flor." Uma poesia dentro de outra poesia. Luz e paz. Beijo no coração

    ResponderExcluir
  9. Todas as flores se desfolham

    até tu ROSA

    ResponderExcluir
  10. Amiga que lindo!
    Te conheço e sinto e é tão doce e delicado isso!
    Te amo demais! Beijos, na princesa também!
    Flavinha

    ResponderExcluir
  11. Ahahahahahahahah!
    Liberou comentários!!!!!!Ótimo!!! Assim posso tietar bastante sem medo de censura kkkkkkkkkk!!!!
    Te amo muito amiga linda, beijos!

    ResponderExcluir
  12. Boa noite Lu, teus versos enredam uma cena em que o aconchego se converte em perfeita sublimação do amor entre duas almas afins, que se doam mutuamente, parabéns pelo envolvente poema, um abraço, com os votos de uma semana de muitas satisfações, MJ.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics