“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

DESASSOSSEGO

Grãos de areia presos
entre os dedos,
  desejo suicida de ternuras.

E a beira mar
quase tudo parece estar
muito distante.

Quase, pois barcos de mágoas
fazem ancoragem
na margem das lágrimas.

lumansanaris
imagem: Google

10 comentários:

  1. Há beijos assim
    que se pintam com lábios nos lábios

    ResponderExcluir
  2. A poetiza me faz querer ver através dos seus olhos.
    Sensibilidade funda essa sua menina Lucy, parabéns!
    Abraço do fã Renato.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Lucy.
    Quando estamos à beira do mar, as coisas adquirem diferente dimensão.
    bj amg

    ResponderExcluir
  5. Ola Lu,
    Doce e intenso.
    Senti a flor da pele.
    Belo.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Lu, linda e doce Lu, qual a dimensão do teu sentir?
    Apesar de triste, é tão belo amiga! Amei! E te amo também, só que mais que a poesia, rs!
    Beijos, Flávia.

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Lu, teus versos enredam a vida e as suas passibilidades, com todas as pompas que estas merecem, porem sem desguarnecer as chances que buscam sempre o nosso ser, os infames infortúnios, parabéns pelo redundante poema, um beijo com muita carinho neste teu doce coração, que o meu coração tanto ama, MJ.

    ResponderExcluir
  8. À beira mar os sentimentos da querida poetisa voejam, e, mesmo exteriorizando tristezas, estas não obscurecem o seu estro encantador. Meus aplausos, Lu, com o carinho e a admiração de sempre.

    ResponderExcluir
  9. Olá.
    Belo texto.
    Meus parabéns e uma boa noite.

    ;D

    ResponderExcluir
  10. Lu,tua poesia é sensacional...estou aqui relendo,beijo carinhoso Abá!

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics