"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

F R A G I L I D A D E S


Estando tu comigo e eu contigo
tudo e nada nos basta.

Mas, se ainda assim 
quiseres prolongar o meu riso
oferece-me algo simples,
que me acrescente sem pesar.

Nunca, nunca brinques de dor
pois a dor dói, até na hora de brincar.


lumansanaris
Imagem: Google

7 comentários:

  1. Gostei, principalmente do finalzinho Lu!

    ResponderExcluir
  2. Na simplicidade de apenas saber sentir, dor pra que, basta saber. Lindo seu Poetar!

    ResponderExcluir
  3. Ah o amor é lindo, mas as vezes tb machuca...

    bjokas e um doce fds =)

    ResponderExcluir
  4. É redundante dizer da tua delicadeza, Lucy. Analogia perfeita numa simplicidade encantadora, parabéns pelo compor!
    Fraternal abraço, Osny.

    ResponderExcluir
  5. SERGIO NEVES - ..essa "fragilidade" implícita no contexto do teu escrito, no contexto se encerra,...por que o poema em si é de uma força e de uma vigorosidade poética maravilhosa,..arrematado com admiráveis versos finais. / Carinhos, Lu.

    ResponderExcluir
  6. Lindos e sensíveis versos amiga! Uma lindeza de poema, dizendo verdades em formas tão poéticas. E o final... maravilhoso!! Parabéns pela inspiração, bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics