"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

ETERNIZANDO

               
                    Gravei na parede o teu nome
                  apenas como garantia 
                  de que continues, sempre aqui.

                 Aprisionei-te caprichosamente
                 bem ao lado de minha cama.
                 E quando a noite cai, acaricio-te as vogais
                 enquanto me amas.

                Depois, seduzo as consoantes,
                e o teu abraço, abundante, embala-me o sono,
                guardando-me em sonhos...

                 Enquanto isso, lá fora, silenciosa e cúmplice, 
                uma lua nos fecunda
                permitindo que o seu feixe de luz
                recaia sobre nós.
                
                lumansanaris
               Imagem: Google
 

6 comentários:

Anônimo

Puxa que lindo!
O final é de uma beleza sem par, Lucy.
Abraço, Lena.

Élys

Uma linda poesia plena de ternura.
Beijos.

Denis Correia

Olá.

Mui belo!!! Parabéns e uma boa noite.

Bell

A gente tenta guardar...

bjokas =)

Anônimo

A tua verve poética é realmente invejável poetisa, belíssimo poema, inspiração singular, aplausos!
Um abração linda, Jorge.

Mar Arável

Há dias assim

sem fronteiras

Real Time Web Analytics