“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

Salvador Dalí ‘Metamorphosis of Narcissus’, 1937
© Salvador Dali, Gala-Salvador Dali Foundation/DACS, London 2014
                                         Metamorfose de Narciso - Salvador Dalí

 "Os Sentimentos Humanos certo dia se reuniram para brincar. Depois que o Tédio bocejou três vezes porque a Indecisão não chegava a conclusão nenhuma e a Desconfiança estava tomando conta, a Loucura propôs que brincassem de esconde-esconde. A Curiosidade quis saber todos os detalhes do jogo, e a Intriga começou a cochichar com os outros que certamente alguém ali iria trapacear.
O Entusiasmo saltou de contentamento e convenceu a Dúvida e Apatia, ainda sentadas num canto, a entrarem no jogo. A Verdade achou que isso de esconder não estava com nada, a Arrogância fez cara de desdém pois a ideia não tinha sido dela, e o Medo preferiu não se arriscar: “Ah, gente, vamos deixar tudo como está”, e como sempre perder a oportunidade de ser feliz.
A primeira a se esconder foi a Preguiça, deixando-se cair no chão atrás de uma pedra, ali mesmo onde estava. O Otimismo escondeu-se no arco-íris, e a Inveja se ocultou junto a Hipocrisia, que sorrindo fingidamente atrás de uma árvore estava odiando tudo aquilo.
A Generosidade quase não conseguia se esconder porque era grande, e ainda queria abrigar meio mundo, a Culpa ficou paralisada pois já estava mais do que escondida em si mesma, a Sensualidade se estendeu ao sol num lugar bonito e secreto para saborear o que a vida lhe oferecia, porque não era nem boba nem frígida; o Egoísmo achou um lugar perfeito onde não cabia ninguém mais.
A Mentira disse para Inocência que ia se esconder no fundo do oceano, onde a inocente acabou afogada, a Paixão meteu-se na cratera de um vulcão ativo, e o Esquecimento já nem sabia o que estava fazendo ali.
Depois de contar 99 a Loucura começou a procurar.
Achou um, achou outro, mas ao remexer num arbusto espesso ouviu um gemido: era o Amor, com os olhos furados pelos espinhos.
A loucura o tomou pelo braço e seguiu com ele, espalhando beleza pelo mundo. Desde então o Amor é cego e a Loucura o acompanha.
Juntos fazem a vida valer a pena."

Lya Luft 


G R A V U R A S



                                       Olhos descalços
                         em caminhos de pedras,
                            deságuam cachoeiras.

                                       Arco as dores
                                na íris descolorida
                      em seus últimos suspiros
                                              de vida.

                       Na miragem dos sonhos
                        que teimam em acordar,
              um quadro de natureza morta.

             E o tempo se faz por ranhuras
                         sopradas por um vento
                        de estalos e despedidas.

                                      Lumansanaris
                        imagem: Lilya Corneli

V I D A


                                          Então, viver é isso...
                                       Um pouco disso, outro pouco daquilo.

                                       Deslocar-se a horizontes
                                       romper grades e prisões...

                                       Alimentar com o sol da alegria,
                                       as batidas do coração
                                       e em outros dias,
                                       enfrentar a tempestade fria
                                       da solidão.

                                       Viver é isso, e, um tanto mais...

                                       Às vezes mais para menos,
                                       noutras, menos para mais.

                                       Vidas vividas de formas diferentes
                                       e iguais...
                                       Tanto faz, 
                                       para todas elas, resiliência.

                                       Vivamos pois,
                                       pelas trilhas retas e tortas.
                                       Viver é chave,
                                       onde as nossas escolhas, são portas.

                                                                       lumansanaris
                                                                       Imagem: Google


 
Real Time Web Analytics