"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

M O T E J O


                                     E entre tantas pausas,
                                  geme o vento
                                  rasgando ao meio a lágrima
                                  que percorria a face.

                                  Lua cheia,
                                  íris naufragada na maré alta
                                  das estrelas.

                                  Num breve momento
                                  em que descansam os mares,
                                  preservam-se as pedras
                                  da arrebentação.

                                 Saudade do tempo que escorria
                                 entre um - sim ou não -
                                 a pausa e a escolha,
                                 o adeus e a partida.

                                 Noite adentro,
                                 o vento a lágrima o tempo
                                 e a dor brincando
                                 de dançar sobre as águas...

                                  lumansanaris
                                  Imagem: Google

 

10 comentários:

Ana Bailune

Maravilhoso, Lucy Mara!

Bell

oi Lucy

é a noite que a ente mais sente falta das pessoas que não estão conosco

bjokas =)

Anônimo

Estou certo de que há algum mistério.
Dom, delicadeza e uma capacidade incrível de provocar fascínio, coisas de Lucy.
Mais um vez encantado! Beijos Poetisa!

Edith Lobato

Estou aos poucos entrando na mágica da tua poesia. Momento de inspiração maravilhoso Lucy. Bjs

NLC POESIAS

Lindos versos amiga!! A dor brincando sobre as águas...Os mares preservando as pedras da arrebentação...Sentimentos transbordando nas entrelinhas da tua poesia ! Aplausos de pé pra vc, bjs

Anônimo

A tua poética arrepia o meu corpo e alma Lucy.
Que momento esse!
[Saudade do tempo que escorria entre um sim ou não a pausa e a escolha, o adeus e a partida]...[a dor brincando de dançar sobre as águas]
A minúcia de um olhar enfeitiçado pela delicadeza do mais profundo enxergar, arrepiante Poetisa, parabéns!
Fã cativo, Alberto.

Anônimo

SERGIO NEVES - ...um primor! / Carinhos.

Nalva Araújo

Parabéns Lu, ficou muito especial este poema, como sempre, você escreve muito bem!
Beijos, prazer te ler...

Antenor Rosalino

A tua poética é irretocável, Lu, e as metáforas e abstratismo aqui empregados contêm tal lirismo que não encontro palavras para elogiar-te. Receba os meus sinceros e efusivos parabéns com a ternura, o respeito e a admiração de sempre.

Antheps Silva

Um dom belíssimo esse que você possui, ilustre poetisa Lucy Mara. Seus versos transcendem a urbanidade e transportam o leitor a caminhos que somente podem ser percorridos com os olhos da alma. Meus sinceros aplausos e que sua noite de sábado seja Abençoada.

Real Time Web Analytics