“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

A S S I M


                                          Amo-te
                                          como a todas as lembranças
                                          das doçuras de uma infância feliz
                                          vivida a margem de um lago
                                          pelo sol iluminado...

                                          Amo-te no mistério das neblinas,
                                          na umidade dos dias chuvosos
                                          vistos pela vidraça da janela
                                          e no sopro morno
                                          que convida os dedos
                                          a desenhar nela.

                                          Amo-te na soma das horas
                                          no amadurecimento dos dias e frutas,
                                          na valsa descalça pelos campos
                                          e no peso das ruas.

                                          Amo-te cada dia mais e além
                                          e até na secura do meu coração,
                                          nos momentos de contradição
                                          e no cansaço de minhas retinas.

                                          Amo-te no dizer das águas,
                                          no afogar das mágoas,
                                          na poesia dos dias
                                          e no drama das loucuras, amo.

                                          Amo no que calo, amo no que falo
                                          amo no que ouço e no vejo,
                                          amo até o que desconheço,
                                          os meus e os teus desejos.

                                          Amo as passagens,
                                          amo o que fica,
                                          amo a forma com que deixas
                                          a vida muito mais bonita.

                                          Amo-te,
                                          dicionário de palavras frescas e antigas
                                          no peito sempre colhidas.
                                          Amo no que me resta de vida
                                          tendo-te como farol de minha sorte.

                                          Amo-te em meio as vitórias
                                          e constrangimentos,
                                          amo, a todo momento,
                                          a tua essência forte e vencedora em mim.

                                          lumansanaris
                                          Imagem: Google


3 comentários:

  1. Que maravilha de poema minha linda amiga!
    Muito sua cara esse blog, mágico e delicado, parabéns querida, bjosssssss...

    ResponderExcluir
  2. A poetisa leva-me a refletir sobre uma bailarina que dança na ponta dos pés em meio as letras, num ato delicado de uma hipnose que nos atravessa a alma!
    Encantado por mais uma vez ler-te minha menina linda!
    Aplausos e saudações sempre,
    Do amigo e fã, Miguel

    ResponderExcluir
  3. O amor em teu divino ser flui como a dádiva da própria vida, Lu, e te diviniza no coração de quem tem o privilégio de te conhecer. Beijo terno, amiga,parabéns e felicidades sempre.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics