“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

REFLEXOS


...e todas as minhas partes, foram deixadas contigo
restaram-me delas, apenas o pó.
agora, um profundo silêncio me vela
e mesmo que deitada - em inéditos abismos -
os melhores sentimentos,
ainda me soletram o teu nome. 

Lumansanaris 
(excerto de um poema que parece não ter fim)
Imagem: Google


9 comentários:

  1. Lindo poema! Se ele parece não ter fim, junte seus pedaços. Faça um livro.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Lindíssimo poema. Parabéns! Toca fundo n'alma.

    ResponderExcluir
  3. É grande demais a profundidade da poetisa!
    Mas ainda nas profundezas há muita luz em torno de si (e exatamente isso lhe faz tão grandiosa)
    Fã e amigo incondicional, Miguel.

    ResponderExcluir
  4. SERGIO NEVES - ...reflexos da tua grandiosidade poética e da tua apaixonante sensibilidade! / Carinhos, Lucy..

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Lu, E do pó se fez o homem... E o homem, grandiosa obra de Deus, é o Seu amor... E no amor nos refazemos. Lindo enxerto que já é uma poesia. Muita luz e paz. Beijo no coração

    ResponderExcluir
  6. Olá.

    Belíssimo trecho... tem textos assim que parecem que nunca vamos terminar, não??? Parece que sempre falta algo... ou não ficamos satisfeitos com algo.

    Parabéns e uma boa tarde.

    ;D

    ResponderExcluir
  7. Mesmo tão fragmentada e pulverizada, teus melhores sentimentos ainda subsistem para recompor-te. Essa poesia nunca terá fim, Lu.
    Abraços, Poetisa.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelos teus fragmentos poéticos, sublime e intenso, amei!

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics