“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

P E R E N E


                                    Quando muita, a febre do sentir
                                      derrama-se sobre a face.
                                      E mesmo que nunca se esgote
                                      os olhos acabam secando
                                      para sorrir outra vez...
                                      Tornei-me instável
                                      Bem no momento em que passei a sentir
                                      tanto assim.
                                      Alegra-me o brilho noturno das estrelas
                                      e me acarinham os seus estilhaços
                                      bailando sob meus pés, a beira-mar.
                                      O amor é feito oceano
                                      alguns dias de sol e calor
                                      e outros de tempestade e neblina.
                                      Encanta, seduz, invoca pra perto,
                                      salga, liberta e aprisiona.
                                      e às vezes, até cansa...
                                      É como uma grande ressaca
                                      vivida na margem
                                      - dos sentires -
                                      E as mesmas ondas que se levantam
                                      e arrastam
                                      também trazem para perto.
                                      Amar assim
                                      é como navegar sem medo
                                      rumo ao desconhecido.
                                      E todo o resto é feito espuma
                                      que limpa a alma,
                                      resultado da luta 
                                      entre as pedras da dor
                                      e as águas do amor.
                                      E no meio disso tudo, os meus olhos
                                      insistem em derramar.
                                      Eu, novamente a beira-mar
                                      mas dizem que amanhã,
                                      teremos sol...

                                      lumansanaris
                                      Imagem: Google

                     

5 comentários:

  1. Tão perene, tão cândida e tão poética que paralizo-me nesse encantamento, Lu. É sobejante e aquece-me a alma a sua sentimentalidade. Beijo em seu dulcíssimno coração.

    ResponderExcluir
  2. Quando assim desejamos e assim procedemos, o oceano de nossas vidas sempre trará em sua maioria, dias de pleno sol e calor. Aqueles de tempestades e neblina, servem para adestrar a alma na presteza de navegar , seja pra onde for, mas sempre com os pés, mãos e coração, firmes.
    A Lu conseguiu chegar na praia. Que bom.
    Abraços, Lu

    ResponderExcluir
  3. Nada melhor que um dia após o outro, amar é bom demais.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Lucy.. o amor sabe bem como nos tocar ou nos frustrar quando achamos que é amor.. só o sentir pode dizer se é ou não é.. bjs e até sempre amiga querida

    ResponderExcluir
  5. SERGIO NEVES - ...a sensação de um gostar assim, tal como dizes, torna a alma divinamente leve -paradoxalmente às inconstâncias tidas, de modo que é muito difícil até descrever a intensidade desse sentimento! / Em versos conseguiste transmitir a pureza, a magia e o encanto de tal amor de uma forma poética a emocionar. / ...se, apesar de tudo, por concreto, perene não consiga ser um amor assim, por tua poesia perene será, pois eterno se mostra o teu poetar. / Carinhos Lucy.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics