"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

CANTO TRISTE


Quisera saber o que na vida,
não é desventura.
Para ser errado, basta acontecer
e as faltas, nunca deixarão de ser.
Até o amor, passa a ser loucura
quando quebra regras
e sobre as cercas, decide crescer.
Só ultrapassa porque existe,
ainda que nunca tenha pedido
para nascer...
Tudo na vida é desventura
e a sua única sorte,  
é de que algum dia, irá morrer.

Lumansanaris
Imgem: Google

5 comentários:

  1. Ah!!... Um lindo poema, mas eu acho que o amor nunca é errado, quando sentido por duas pessoas... Quando só um ama, aí sim, tem algo errado...
    Beijos minha flor!

    ResponderExcluir
  2. Lindo demais, Luzinha...de um jeitinho que invade a alma e cala fundo! abraços, ania...

    ResponderExcluir
  3. Menina poetisa, continuo insistindo, tens o coração na ponta dos dedos!
    Apesar da tristeza, reverencio a beleza do teu sentir.
    Abraço, Paulo.

    ResponderExcluir
  4. O amor é um sentimento belo, cativante mas também impaciente, insaciável, inconformado e muito, mas muito exigente. Estar errado, neste caso, creio que seja pura convenção. Quanto ao poema, enquadra-se naqueles do tipo "curto e grosso"
    inundado pelo teu profundo sentimento e pelo carinho com que tramas tua suave poesia.
    Abraços, Lu.

    ResponderExcluir
  5. Um canto triste, como o título já diz; mas, uma poesia que sai das entranhas Muita luz e paz. Beijo no ♥

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics