"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

NOITE


Eu amo a noite
que amordaça os sons
e me ressuscita.

Hora bendita
em que compreendo
o que a alma grita.

Cortina de breu
provocando-me os olhos 
a buscar em seu âmago
 algum rastro de luz.

Noite que induz a nudez
e essa razão me é suficiente
para uma boa análise
do que me ocupa a mente.

Sinfonia de silêncios em mim
pois o próprio tempo da noite
soa como canção.

O espírito valsa em liberdade
movimentando no ar
tons perfumados de poeira estelar.

Noite que me acorda
para que eu possa sonhar
- milagre do dia -
hora mestra de minha poesia.
  

 lumansanaris
Imagem: Google

2 comentários:

Sony Azevedo

Lú, suas poesias são tão sensíveis, de uma escrita tão suave que fica impossível qualquer comentário, exceto dizer que toca fundo a alma. Tentei contato com vc. pelo face. Não a encontro. Ficou como eu cheia do facebook? rsrsrs. Beijo na alma.

PAULO TAMBURRO.

LUCY MARA,

não é ótimo a certeza de que todos os dias,poderemos esperar por estas noites, absolutamente fantasticas descritas e vividas por você?

Vou esperar a de hoje!

Um abração carioca.

Real Time Web Analytics