“Não queiras ter pátria, não dividas a terra, não arranques pedaços ao mar. Nasce bem alto, que todas as coisas serão tuas...” (Cecília Meireles)

NO MESMO LUGAR


E eu aqui, tantos anos depois e ainda vejo em mim, a mesma menina minguada, de voz baixa, retraída e pensamentos em turbilhões...
Olhos tão curiosos que desconsideravam a dor de enfrentar o sol (ele nunca era igual)
Pés sempre no chão, tão pouco chão... Ah mas as estrelas todas eram minhas!
Também era magro o sono, sempre dormi pouco pra ter mais tempo pra sonhar... Sorria a qualquer um e engolia o choro ao ouvir alguém chorar...
Morria de medo do fim do mundo... E do inferno então? - Era depressão!
Quase sempre, trazia vazias as mãos que abraçavam o vento, tudo mais era solidão...
E todo mundo dizia: -De novo esses olhos molhados? Que tristeza é essa, menina? 
Eu sorria e acenava um não... E eles esqueciam aquela garoa fina...
Meus olhos, mais pra verde que azul, deveriam refletir esperança, mas, são descritos como espelho da tristeza, talvez sejam mesmo, ou não... Eles sempre me permitiram ver, pra mim, isso já está bom.
E desde sempre, é assim que tenho vivido; mas às vezes me suicido com um lápis e papel.
É estranho... Porque a menina de agora parece ter pesos que já não suporta mais... Mas aí anoitece... E as estrelas vêm em meu socorro... 
Ah esses pontinhos brilhantes, cintilam tanta vida dentro de mim.

Lumansanaris 
Imagem: Google

10 comentários:

  1. Lindas lembranças cravadas no coração. Feliz dia do blogueiro. Luz e paz. Beijo no coração.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo Lucy, as vezes a gente cresce e continua por dentro a mesma menina.
    Eu sou bem chorona rs... mas tb sei ser forte.

    bjokas e um lindo fds =)

    ResponderExcluir
  3. Adorável Lu, o teu ser e a exuberância de tua sensibilidade poética invulgar fulguram tanto quanto as estrelas do céu em esplendor. Aqui fico, também, no mesmo lugar, maravilhado ao revisitar-te. Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Antenor... Essa tua generosidade tão gigante, entra em mim com uma força tão grande, serve-me de coordenada, impedindo que eu empedre.

    Inflamada de gratidão por poder tê-lo por perto, como um presente da vida.

    Um beijo em teu coração meu AMIGO.

    ResponderExcluir
  5. A alma ditou, Lu escreveu. Em cada palavra traços sensíveis de quem transforma sentimentos em palavras. Abraço, Lu. Marina Alves.

    ResponderExcluir
  6. É, tem que se conhecer muito mesmo para poder admitir assim tudo o que dá medo, coisa da Lu, menina Poeta da alma grande!
    Gosto de estar aqui! Beijos, na Mavi tbm!

    ResponderExcluir
  7. SERGIO NEVES - Um "escancarar" de alma emocionante! / ...e, poeticamente irrepreensível! / Carinhos Lu.

    ResponderExcluir
  8. Lu, é assim mesmo e nossa válvula de escape é o suicídio em lápis e papel! Que belas palavras amiga minha...como sempre externando sentimentos!!! Grande Abraço

    ResponderExcluir
  9. Mara_vilhado com tamanha pureza!
    Torcendo pela sua volta.
    CORAGEM!

    ResponderExcluir
  10. Ói Lu
    Que prazer enorme ler voce mais uma vez... Estas lembranças cronificadas de maneira tão singela e tão cheia de voce é o próprio sentimento que povoa sua alma.

    1 ab

    ResponderExcluir

Obrigada pelo carinho para com as minhas digitais.

Real Time Web Analytics