"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

DESPEDIDA


Imensidões esperavam
o momento certo para saltarem
de meus olhos...
Mas,
os momentos todos
foram adiados...
E então
os ventos sopraram de leve
algo muito parecido
com um “sinto muito...”
Respondi com silêncio
porque comigo,
ainda havia amor...
E nunca ninguém soube,
mas eu sentia muito mais!

Lumansanaris
 Imagem: Google



5 comentários:

Miguel Jacó

Bom dia Lu Mansanaris, o fator surpresa será sempre relevante, em nossas ações, e quando se trata de afetos,somos muito mais penetrantes quuando nos superamos na dose da entrega, as pessoas ficam desconcertadas quando esperam do nosso ser uma resposta vazia, e recebem da nossa alma toda a bondade presente em nosso interior, parabéns pelo instigante poema, um forte abraço deste seu fã de sempre, MJ.

Bell

Despedidas não são simples, sempre tem um que sofre mais =/

bjokas =)

Alcir de Andrade Silva

Bom dia Lu! Magnífica sua poesia, muitas vezes passamos por isso, somos obrigados a nos despedir, mas o coração ainda está cheio de amor...
Um lindo dia, DEUS a abençoe.
Beijos...

Anônimo

SERGIO NEVES - ...não gosto de despedida -acho que ninguém gosta-, mas essa eu simplesmente amei! / Lindíssimo! / Carinhos Lu.

Anônimo
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Real Time Web Analytics