"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

VÍNCULOS


A cada dia eu percebo o quão pouco sei da vida,
o quão pequena e falha sou
e as agressões que cometo inclusive comigo.
Mas, em meio a tantos limites
sou uma pessoa que se preocupa 
em conservar os meus vínculos junto aos meus amigos,
sempre com o cuidado de não lhes roubar a paz.
Porque num momento lá atrás 
decidi que as minhas reservas de amor
deveriam ser distribuídas...
Então eu fiz... Não sei se bem, mas fiz e faço...

Na continuidade da vida 
que se realiza a cada soma de segundo.
Mas, também acredito, que o amor mais bonito,
acontece em silêncio e, assim deve permanecer,
pois estando assim, foge do julgo!
Tenho aprendido que viver não é fácil
e que quando não estou bem
serão poucos os capazes de me acolher
independente do tamanho de minha miséria.
São os laços de amor, a face mais linda da humanidade.
Aprendi também, que na verdade,
quem muito acha sobre mim, deve finalmente me perder
pois agindo assim, nunca irá me conhecer.
Sentimentos não são achados - são conquistas –
E justamente nesse ponto me inflama a gratidão
por todos aqueles que me doaram um pedacinho do seu coração, 
presenteando-me com a liberdade
de poder tirar os olhos um pouco dos meus erros
para procurar algo de bom 
que certamente Deus tenha confiado a mim.
E é através dessa generosa oferta que eu descubro,
verdadeiramente, o que é ser grande. 


lumansanaris
Imagem: Google

...F.I.M...

        Já não há nenhuma sombra
        por entre os sonhos...

        Nem estes mais!
                             Restaram apenas o reflexo do medo
                            e uma hemorrágica cortina de silêncio,
                            que por ora, navalham-me a carne.

                                            As noites agora são feitas de névoa
                                            e o amanhecer virou densa poeira,
                                            por onde o sol nem se arrisca passar.
         Foram-se as chuvas...
         Restou apenas uma vaporosa lágrima
         acompanhada d’uma areia
         que machuca ao tentar escapar.
                           Há escombros invisíveis e uma competição
                           entre a excessiva bagunça dentro de mim
                           e a solidão, que pede passagem
                           por ter consigo,
                           pesada bagagem para arrastar.

                                            Mais poeira de memórias
                                            que insistem em machucar...
                                            Intercâmbio de sensações
                                            vasculham a falta de linhas no papel
                                            e tremem versos, sem muito ensaio.
         Transformam orações de sentimentos
         em simbólico cortejo funerio
         tendo o rodapé da página
         como cemitério.
                            Termina a poesia, somente ela
                            posto que nada mais
                           encontra um fim...
                            Sigo... e comigo a dor que navalha a carne!
                            Navalha e navalha... uma vez e outras mais!
                                            O que sinto, ninguém vê
                                            muito menos sente...
                                            E por mais que eu tente, 
                                            não consigo descrever!
                                            É tão distante de poesia
                                            o que se passa aqui, dentro de mim.

 lumansanaris
imagem: Google

Real Time Web Analytics