"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

TÉTRICA NOITE




Negro manto da noite, por que soluças eminente?
Não vês? Essas horas foram feitas para descanso.
Aonde estão escondidas as estrelas deste teu céu?
Ora... Não sabem elas, que o dia as maquia bem?

Que bem eu te faria, se nem a mim, eu faço mais?
Também sofro dores, são delas a certeza que vivo
E há muito o bordado do teu manto me foi negado
É tempestuoso o meu céu, choro baixo, sufocado.

Ouve o canto dos anjos! Por mal eu nunca os abafei!
E se o meu céu não tem estrelas, o motivo eu bem sei.
Oh noite, faz como eu, fecha os olhos, finja estar bem!
E se chorares, faz baixinho, não incomodes ninguém.


lumansanaris
imagem: Google

DISTÂNCIA


Feito farol que se apaga no mar
foram afastados os olhos dos amantes...
Agora, duas naus, sem direção.
A lua também se ausentou
e a noite foi feita de tempestade
bordando bravias ondas no mar
que pela falta da lua,
soluçava de saudade..

*Lumansanaris
Imagem: Google



Real Time Web Analytics